Bloco 5, Mercador, Mourão

O sítio arqueológico do Mercador terá sido identificado apenas do decorrer de 2000. A primeira campanha de trabalhos neste local visou obter a caracterização do seu espectro cronológico-cultural, confirmar a existência de uma efectiva ocupação e avaliar o seu estado de conservação, bem como o impacte que o regolfo do Alqueva teria sobre o sítio, uma vez que este ficaria submerso.

Os resultados desta intervenção deveriam sustentar decisões relativas à necessidade ou não da realização de trabalhos arqueológicos de maior dimensão.

Para a concretização destes objectivos foi planeada a abertura de quatro sondagens, das quais só viriam a ser intervencionadas três, facto que se ficou a dever à complexidade dos vestígios arqueológicos preservados identificados.

Os resultados confirmaram a existência de um importante sítio de cronologia Calcolítica, com inúmeras estruturas negativas preservadas (calculando-se a existência de uma elevada densidade destas estruturas em toda a plataforma onde se localiza o sítio) e ainda vestígios de ocupações de cronologia histórica (Medieval-Moderno).

Em função dos resultados obtidos e do profundo impacte previsto, foi emitido o parecer de que seria indispensável a realização de intervenções arqueológicos de maior dimensão no local, de forma a determinar a extensão da ocupação pré-histórica, a sua ou suas funcionalidades e obter um registo quantitativa e qualitativamente mais aprofundado, trabalhos fundamentais face ao potencial de informação de relevância científica que o sítio revelou possuir.