Parque Eólico da Serra do Alvão

Em 2006, concretizaram-se acções de prospecção sistemática na área envolvente à zona de implantação dos aerogeradores do Parque Eólico da Serra do Alvão e respectivos acessos. Visou-se a identificação, descrição, localização, classificação e inventariação de vestígios relativos aos elementos de interesse arqueológico, histórico, etnográfico e patrimonial construído na área envolvente à zona de afectação do Parque Eólico.

Tendo também como objectivo a subsequente proposta de medidas minimizadoras do impacte, as prospecções efectuadas revelaram a existência de 35 sítios de interesse patrimonial. Durante esta fase foram identificados 10 novos sítios, sendo 3 de carácter arqueológico, 5 de carácter etnográfico e 2 de carácter indeterminado.

Pedra trabalhada.

Dos sítios referenciados, apenas em dois (Chã Prado 4 e Bouça do Rei 3) se previu um impacte total durante as fases de construção e desactivação do Parque Eólico, sendo proposta como medida de minimização a sua escavação arqueológica. Os sítios Fraguinha Negra 2 e 3 e Bouça dos Moços 1 teriam ainda um impacte de carácter periférico, pelo que se propuseram medidas de minimização de classe C, que implicaram a limpeza e o registo fotográfico exaustivo do sítio.

Por fim, os sítios nos quais não foi possível calcular a área sujeita a impacte, assim como a magnitude do mesmo, não foram sujeitos à atribuição de medidas de minimização. Estes sítios corresponderam à Fraga da Sombra 1 e 2, Bouça do Rei 1, Fraguinha Negra 4, Fraga Gorda 3 e Bouça do Rei 6.