Bloco de Rega de Faro, sítio de Covas 1

Nos meses de Outubro e Novembro de 2009, o sítio de Covas 1 foi intervencionado pela ERA no âmbito da Minimização de Impactes sobre o Património Cultural resultantes da execução do Bloco de Rega de Faro, correspondendo a uma série de estruturas negativas identificadas em vala no decorrer da empreitada. Foram realizadas 23 sondagens, abrangendo um total de 107.75 metros quadrados.

Estas estruturas tipo fossa apresentaram uma grande quantidade de materiais, nomeadamente taças de carena alta (abertas e fachadas) com abertura de diâmetro elevado, parte com mamilos localizados na própria carena, e potes de armazenagem de pastas grosseiras com uma percentagem elevada de elementos não plásticos. Algumas destas cerâmicas foram recolhidas em ambientes que poderão corresponder a contextos habitacionais, como é o caso da sondagem 8 e da sondagem 21.

                                                                      Enterramento.

Não se pondo de lado a possibilidade de estes contextos se enquadrarem cronologicamente ainda no Bronze Pleno, é plausível, dada a tipologia das taças recolhidas, situar a ocupação deste local essencialmente nos finais da Idade do Bronze. A ser assim, a ocupação do Bronze Final neste tipo de enquadramento geográfico, numa zona de planície a uma cota reduzida e sem qualquer tipo de defesa, tanto natural como antrópica, está ainda pouco estudada, mas conhecem-se já alguns resultados de intervenções recentes no âmbito do processo de minimização de impacte dos canais de rega, pelo que não é caso único.

Desta forma, a escavação deste tipo de contextos poderá levantar algumas questões relevantes relativamente ao que se supunha corresponder ao modelo de povoamento das comunidades do Bronze Final. Foram ainda identificados um enterramento infantil e um adulto, em contexto de fossa, que foram enquadrados nesta mesma cronologia, assim como os restos de um terceiro enterramento, já muito danificado pela ocupação da fase posterior.