Centro de Saúde de Alhandra, concelho de Vila Franca de Xira

No âmbito da construção do futuro Centro de Saúde de Alhandra, no local onde antigamente se situava a Igreja de S. Francisco, estes trabalhos arqueológicos foram realizados no ano de 2012 para a Joaquim Fernandes Marques e Filho S.A.

Inicialmente estava prevista a realização de 16 sondagens de diagnóstico que incidiam na localização das futuras sapatas do edifício, distribuídas por 64 metros quadrados. Porém, a realização de uma decapagem superficial revelou a existência de contextos associados à utilização sacralizada deste espaço, assim como várias outras estruturas adjacentes, pelo que se verificou a necessidade de reavaliar a localização inicial das sondagens, assim como a sua dimensão.

Assim, e após o acordo da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira, foram realizadas 15 sondagens de diagnóstico, correspondentes aos m² inicialmente previstos, localizadas em áreas estratégicas que permitissem diagnosticar as seguintes realidades: planta e dimensão da Igreja de S. Francisco; delimitação da área utilizada enquanto necrópole, tanto no interior como no exterior do antigo edifício; identificação de eventuais estruturas contíguas à antiga Igreja.

Desta forma, foi possível definir a planta da Igreja de S. Francisco (7,35m x 14,63m), correspondendo ao alinhamento dos cunhais existentes na fachada Norte, assim como esclarecer a existência de enterramentos tanto no interior como no exterior do edifício. Foi ainda possível confirmar, tal como referido nas Memórias Paroquiais de Alhandra, a existência de casas contíguas que pertenceriam à jurisdição desta paróquia.

                                                              Enterramento.

É ainda importante salientar a identificação de estruturas anteriores ao momento de fundação da Igreja de S. Francisco, em 1721, que poderiam corresponder à antiga Ermida de S. Sebastião, também referida nas Memórias Paroquiais de Alhandra.

Este diagnóstico permitiu obter não só uma melhor percepção deste espaço e avaliar o seu potencial histórico-científico para a construção da história da região, mas também a reunião dos dados necessários para a implementação de medidas de minimização adicionais, consentâneas com os vestígios existentes e com o grau de afectação previsto decorrente do normal desenvolvimento da empreitada.

Na sequência dos resultados, propuseram-se as seguintes medidas de minimização adicionais: a escavação arqueológica integral de 776 m2, considerando a dispersão dos vestígios detectados no decorrer deste diagnóstico, a sua natureza, as informações obtidas nas fontes históricas e a importância do conhecimento deste espaço para a história local e regional; o acompanhamento arqueológico de todas as remoções de terras a realizar a sul da área acima referida, considerando os resultados decorrentes do diagnóstico realizado pela CM Vila Franca de Xira.