Remodelação da Envolvente do Elevador da Bica, Lisboa

O acompanhamento arqueológico enquadrado no projecto de remodelação da área envolvente do elevador da Bica, Lisboa, decorreu entre 18 de Maio de 2012 e 11 de Janeiro de 2013. O objectivo principal foi a detecção de eventuais vestígios arqueológicos que pudessem ser afectados pelas obras, bem como garantir a protecção e salvaguarda dos mesmos, e efectuar a sua caracterização em termos de valor científico e patrimonial.

Os trabalhos concluídos no bairro da Bica ofereceram uma importante imagem da evolução desta área de Lisboa. De imediato fomos confrontados com o facto de a quase totalidade das valas abertas ter revelado apenas sob a calçada actual um depósito de revolvimento onde foram abertas as valas para as infraestruturas, assente directamente sobre um depósito de argila aparentemente de origem natural.

Porém, foi possível identificar uma utilização anterior deste espaço, provavelmente anterior ao terramoto de 1755, concentrada no topo das Travessas da Portuguesa e da Laranjeira e no Largo de Santo Antoninho. Este facto pode dever-se aos deslizamentos de terras entre as encostas da Rua das Chagas e Marechal Saldanha, dos quais existem diversos relatos nos últimos quatro séculos.

Deste modo, as ocupações anteriores ao edificado actual terão aparentemente sido apagadas no espaço entre estas encostas. Apesar de este espaço ter conhecido provavelmente uma enorme destruição neste momento, observamos que as calçadas que surgiram nas Travessas da Portuguesa e da Laranjeira e no Largo de Santo Antoninho coincidem com as actuais vias públicas, pelo que parte da organização deste espaço aparenta ter sido mantida.

Após esta última reconstrução os edifícios e espaços públicos terão mesmo permanecido quase inalterados, como parece indicar a reutilização dos caneiros de lajes de calcário, provavelmente coevos desta reconstrução, pelas canalizações de grés ainda em uso.