Centro de Artes e Tecnologia, Belém, Lisboa

Os serviços de acompanhamento arqueológico realizados no âmbito do empreendimento Centro de Artes e Tecnologia, em Belém, localizado na área de influência da antiga Central Tejo, junto à actual Fundação EDP, dividiram-se em duas fases de execução, à responsabilidade da EDP. A primeira fase decorreu de Dezembro de 2013 a Março de 2014; a segunda fase entre Maio de 2014 e Outubro de 2015.

Durante a intervenção foram detectadas diferentes realidades arqueológicas. A fase mais recente (séc. XX) materializou-se pelas edificações de carácter industrial relacionadas com a antiga Central Tejo, complexo conhecido pela produção de electricidade a carvão.

A fase de período Moderno caracterizou-se pelas estruturas em tijolo refractário e duas estruturas arqueológicas formadas por toros/estacas de madeira, de interpretação ambígua pelo facto de não existirem materiais arqueológicos contextualizantes. Refira-se ainda os restantes contextos relacionados com a utilização portuária do local durante o reinado de D. Maria I, no caso da Rampa dos Escaleres Reais.

As áreas afectas aos contextos arqueológicos identificados foram condicionadas para a realização de sondagens de diagnóstico. As escavações mecânicas não puseram em causa a preservação das diferentes realidades patrimoniais identificadas, nomeadamente a Rampa dos Escaleres Reaes, a estacaria em pinho e os paramentos fundacionais (Refinaria de Açúcar), assim como as demais infraestruturas (caneiro do século XX e galeria de cabos elétricos).

Efetuou-se o registo gráfico, fotográfico e, em alguns casos, a georreferenciação das diferentes realidades observadas. Por fim, consideraram-se cumpridos os requisitos da DGPC relativamente às medidas de minimização de impacte a executar durante o acompanhamento arqueológico.