Cidadela de Cascais

Identificou-se a presença de 3 estruturas amuralhadas preservadas, com cronologias compreendidas entre os séculos XVI e XVIII, 6 muros, 3 estruturas de alicerce, 2 estruturas de enrocamento, 1 biselamento, aterros diversos, um derrube e várias lixeiras com espólio característico do século XVII.

A avaliar pelos resultados diagnosticados, os trabalhos de remodelação do edifício militar teriam afectação directa no que concerne às estruturas identificadas nas sondagens 1, 3, 4 e 5 e aos contextos de ocupação humana a estas associados, com espólio arqueológico associado, identificados nas sondagens 1 e 6.

Os trabalhos decorreram entre os dias 2 de Novembro e 6 de Dezembro de 2009, perfazendo um total de 18 dias.

 

Registo ortofotográfico da Porta de Mar (2010)

Na sequência de uma reunião realizada no dia 17 de Junho de 2010, ficou acordada a realização do registo ortofotográfico da Porta de Mar da Cidadela de Cascais. O objectivo foi a preservação, pelo registo, daquele elemento arquitectónico, dado que o tecto da referida estrutura teria que ser sujeito a afectações no âmbito da empreitada de reabilitação da Cidadela.

Foram realizados os levantamentos, com recurso à ortofotografia, das superfícies em causa, nomeadamente, duas paredes laterais, a parede do topo e a cobertura. Procedeu-se à recolha de pontos de descontinuidade das superfícies com um aparelho Leica TCRM 1105 (que permite o armazenamento de coordenadas sem recursos a alvos reflectores) e a processos fotogramétricos digitais, monocárpicos ou estereoscópicos, conforme as situações assim o exigiam, de forma a garantir as tolerâncias deste trabalho. O levantamento fotográfico foi realizado com máquina digital calibrada (NiKon 5400).

O processamento dos dados foi executado com recurso a programas informáticos (Leica SurvyOFFICE – edição e tratamento de pontos coordenados, PHOTOMODELER PRO 5 – rectificação de imagens, AutoCAD – produção de desenho). O trabalho final foi apresentado em suporte papel e em digital DWG.

As superfícies foram integralmente registadas por ortofotografia, sendo desenhadas secções representativas dos vários tipos de técnicas construtivas identificadas e elementos arquitectónicos mais relevantes, de acordo com o solicitado pelas entidades da Tutela.

Concluído o registo ortofotográfico, consideraram-se cumpridos os objectivos, nomeadamente, o da preservação pelo registo da estrutura da Porta de Mar a ser afectada ao nível do tecto pela execução de um dos quartos da Pousada. Note-se que os registos executados permitiriam, no futuro, a realização de trabalhos de análise de estratigrafia vertical ou eventuais reconstituições a 3D. Neste sentido, propôs-se a libertação da área para normal continuação da empreitada.

 

Sondagens de diagnóstico (2010)

No decorrer das sondagens de diagnóstico realizadas, em 2010, na Cidadela de Cascais foi identificada uma estrutura em alvenaria de dimensões consideráveis na área a afectar pela construção da piscina do empreendimento. Face à necessidade de afectação da referida estrutura no âmbito da empreitada, foi solicitada a realização de uma sondagem mecânica em profundidade na área contígua de forma a obter uma caracterização funcional e cronológica mais completa da mesma.

Procedeu-se ao desmonte do pavimento de betão que se encontrava imediatamente sobre a estrutura de modo a identificar os seus limites e a sua relação com a muralha da Cidadela. Dado que a mesma se prolongava, não só no sentido da muralha exterior, como também no sentido do Edifício I, para não se afectar o lajeado existente optou-se por realizar uma sondagem na área de contacto da estrutura com o referido edifício e, desta forma, obter os limites do plano.

Na zona de contacto entre esta realidade e a muralha exterior, foi aberta uma sondagem mecânica de 2mx1m (por razões de segurança não se pôde alargar os limites). Desta intervenção, foi possível aferir que apenas um depósito de cor avermelhada encostava a esta estrutura, sendo que a mesma, por sua vez, assentava sobre outros depósitos dos quais foi possível recolher alguns materiais arqueológicos. Também foi possível perceber que esta realidade encostava directamente à muralha exterior.

Face aos resultados obtidos, não foi possível caracterizar de forma conclusiva a funcionalidade desta estrutura, no entanto, considerou-se que a mesma estaria relacionada com uma fase mais antiga de ocupação da Cidadela. Colocaram-se duas possibilidades: a estrutura teria sido desenvolvida em altura, sendo afectada pela construção do campo de jogos, ou teria apenas servido de base para o assentamento das lajes que compunham a esplanada e que, numa fase inicial, se prolongaria até à muralha exterior.