Requalificação da zona envolvente da Sé de Idanha-a-Velha (Castelo Branco)

Confirmou-se no terreno a necessidade dos trabalhos de acompanhamento arqueológico, embora, estamos em crer, a realização de sondagens prévias na tentativa de minimizar o impacto da obra seria porventura a estratégia mais indicada para fazer face à complexa realidade encontrada em Idanha-a-Velha.

Foram acompanhadas sete frentes de obra, sendo de referir que quase todas se inserem em zonas que sofreram alterações, facto reforçado pelos materiais arqueológicos recolhidos, que apontaram para cronologias entre os séculos XVII-XIX.

Durante a remoção de terras, constatou-se que o subsolo se encontrava revolvido por diversas intervenções relacionadas com a instalação da rede da EDP, PT, saneamento básico e água, sem que no entanto danificasse a grande maioria das estruturas.

A título de conclusão, consideramos ser importante mencionar que todas as indicações expostas pela Era, no decurso dos trabalhos, conducentes a interrupções e condicionamentos de frentes de obra, foram escrupulosamente respeitadas pelo Empreiteiro Antero Santos e Santos Lda.