Rua Henriques Nogueira, Lisboa

Executadas no âmbito da reabertura de duas valas na Rua Henriques Nogueira (zona de Nível II segundo o PDM) destinadas à renovação da Rede M.P. de Gás Combustível Canalizado, estas ações arqueológicas foram adjudicadas pela Lisboagás e decorreram entre os dias 15 e 18 de Dezembro de 2014.

A necessidade de se proceder à abertura de uma travessia (inicialmente projectada para 3 m de cumprimento por 0,60 m de largura e 0,40 m de profundidade) conduziu, por deliberação da DGPC e nos termos da lei geral (PDM e Plano de Pormenor da Baixa Pombalina) à realização de uma sondagem arqueológica de iguais dimensões.

No âmbito dos trabalhos de acompanhamento das valas Este e Oeste foi detectada uma sequência estratigráfica monótona e linear caracterizada – em ambos os casos – por um nível de pavimento urbano sob o qual jaziam níveis de aterro remexidos para cobertura de infraestruturas recentes de gás e saneamento.

Na sequência da aplicação das medidas deliberadas pela DGPC foi realizada uma sondagem arqueológica na travessia entre as valas Este e Oeste (a Sul). Foi detectada uma estrutura interpretada como caneiro moderno/pombalino (estrutura de condução hidráulica de linha de água). Do ponto de vista do seu aparelho e orientação, em tudo se assemelha a análogas estruturas que estão registadas na Baixa Pombalina.