Rua da Emenda, n.º 41, Lisboa

Estes labores foram atribuídos pela Margem Coloquial Unipessoal Lda. e decorreram nos dias 26 e 27 de Outubro de 2016. Integraram-se no projeto Sondagens de Inspeção Estrutural com Metodologia Arqueológica na Rua da Emenda, n.º 41, em Lisboa.

A intervenção compreendeu a abertura de 2 sondagens de inspeção estrutural com metodologia arqueológica, com o objetivo de informar o projeto da estabilidade da futura empreitada e detetar eventuais vestígios arqueológicos.

Os labores permitiram confirmar que os primeiros níveis correspondiam aos pisos de cimento e seus depósitos de preparação. Sob esta realidade estavam as sapatas produzidas em betão armado que sustentavam as paredes deste edificado.

As valas de fundação dos actuais alicerces cortavam o depósito que corresponde ao geológico local. Pudemos assim concluir que estes trabalhos não afetaram estruturas arqueológicas preexistentes.

Em suma, este local não apresentou vestígios de faseamentos ocupacionais anteriores à construção do deste prédio durante a década de 80, possivelmente devido ao processo de preparação do local através da decapagem da encosta. Seria assim possível que existissem elementos ainda preservados em pontos mais próximos dos limites do edificado novecentista.

A ausência de elementos arqueológicos estruturais e materiais pode ser explicada pela incidência destes trabalhos na área de jardim ou logradouro afeta ao edificado oitocentista, hipótese levantada pela análise da cartografia histórica deste local, e sua comparação com a atual.

No que se refere a medidas de minimização futuras, este local insere-se numa zona de nível II do Plano de Director Municipal de Lisboa, pelo que estas deveriam ser aplicadas segundo a legislação vigente.

 

ACOMPANHAMENTO ARQUEOLÓGICO

A ERA-Arqueologia levou a cabo, em 2017, ações de acompanhamento arqueológico no âmbito do projeto de reabilitação deste edifício. Estes trabalhos incidiram sobre as ações de remoção de pavimento em cimento e na abertura de caixa de 2 m x 2 m, tendo uma profundidade prevista de 1.80 m.

Não foram registados vestígios patrimoniais e arqueológicos relativos a fases ocupacionais anteriores ao atual edifício. Deste modo, com a inexistência de mais trabalhos de escavação/movimentação de terras, foram dados por concluídos os trabalhos de acompanhamento, considerando-se cumpridos os objetivos presentes no plano de trabalhos.