Nova Sede Corporativa da EDP, Avenida 24 de Julho, Lisboa

O acompanhamento arqueológico no âmbito do projecto de construção da Nova Sede Corporativa do Grupo EDP, na Avenida 24 de Julho, em Lisboa, visou a minimização de impactes sobre eventuais vestígios, patrimoniais e arqueológicos, a serem afectados pelos trabalhos construtivos deste empreendimento. Os trabalhos decorreram entre 17 de Maio de 2012 e 28 de Fevereiro de 2013.

Ao longo dos trabalhos de remoção de depósitos, identificou-se um conjunto de realidades estruturais bem como materiais móveis correspondentes a faseamentos cronológicos distintos: a instalação e laboração da Fábrica de Gás da Boavista, iniciada na década de quarenta do século XIX, a constituição do Aterro da Boavista, uma das maiores obras públicas a nível nacional ao longo da centúria passada, e vestígios associados à frente fluvial da antiga praia da Boavista. Nestes, inserem-se duas embarcações (século XVII/XVII), a que se associam outros aprestos marítimos, bem como artefactos cuja longa diacronia, compreendida entre os inícios do século IV e o século XVIII atestam a utilização desta área como antigo fundeadouro e espaço de intensa actividade marítima.

                                                                

O conjunto de materiais de fundeadouro datados do período Romano é composto quase em exclusivo por fragmentos anfóricos, recolhidos nos níveis lodosos equivalentes ao fundo estuarino, de permeio com artefactos ulteriores. Contudo, o estado de conservação da maioria das espécies, onde alguns mostraram apreciável estado de conservação, remetem para outro tipo de fenómenos originários das formações estratigráficas, conectados com a actividade portuária de Olisipo.

A diversidade de tipos de ânfora presentes compreende morfologias lusitanas, béticas, itálicas e africanas, abarcando uma variedade de cronologias e conteúdos associados, constituindo um contributo para o conhecimento da dinâmica comercial romana olisiponense e das conexões respectivas então estabelecidas entre a foz do Tejo e o trânsito de mercadorias entre o Atlântico e o Mediterrâneo.