Rua Camilo Castelo Branco, Alcabideche (Cascais)

Realizados no âmbito do projeto de execução de edificação de moradias unifamiliares na Rua Camilo Castelo Branco, em Alcabideche (Cascais), estes trabalhos decorreram entre os dias 15 e 17 de Maio de 2018 e o dia 4 de Dezembro de 2019. O lote de terreno a urbanizar, englobando duas parcelas, enquadra-se na Zona Especial de Protecção (ZEP) “Villa romana do Alto da Cidreira”, classificada como Imóvel de Interesse Público.

Preconizou-se então a realização de um diagnóstico arqueológico através da implantação de seis sondagens arqueológicas até à cota de afetação ou até ao substrato geológico. As sondagens foram implantadas ao longo das duas parcelas (3 sondagens em cada), permitindo uma cabal e completa amostragem do local. Desta forma, os trabalhos previstos visavam a caracterização preliminar do potencial científico e patrimonial dos eventuais contextos arqueológicos presentes no local. 

Os trabalhos arqueológicos permitiram observar uma estratigrafia linear, similar nas seis áreas intervencionadas, sem quaisquer contextos arqueológicos preservados. O substrato geológico local foi identificado a profundidades entre os 0.30m e os 0.50m, desde a cota de circulação atual, apresentando-se coberto por níveis revolvidos, caracterizados pela presença de entulhos contemporâneos, depostos neste terreno ao longo dos últimos anos. 

Estes dados vêm, assim, juntar-se aos trabalhos arqueológicos realizados nos anos mais recentes, em parcelas a urbanizar na área de proteção da villa do Alto da Cidreira, e que têm permitido compreender uma provável implantação do sítio na encosta voltada a Sul, para o mar, encontrando-se esta parcela de terreno já na sua periferia.