Fonte da Senhora 1

Os trabalhos arqueológicos na Anta da Fonte da Senhora 1 integraram-se no plano de minimização do impacte da Barragem dos Minutos (Montemor-o-Novo) sobre o património arqueológico.

A Anta da Fonte da Senhora 1  preservava ainda todos os esteios da câmara, que definiam um espaço de planta poligonal regular, e três dos quatro esteios do corredor. A escavação integral deste monumento megalítico demonstrou a destruição recente de grande parte da estrutura do tumulus e a existência no espaço intratumular de alguns contextos funerários conservados.

No interior da câmara e do corredor foram identificados dois depósitos, que continham vestígios materiais da prática de rituais funerários. Apesar de não terem sido recolhidos ossos humanos, a presença de placas de xisto decoradas, recipientes cerâmicos de pequenas dimensões, pontas de seta, geométrico, uma lâmina, uma enxó e de muitas contas de colar sugere a construção e a utilização desta necrópole durante a segunda metade do 4º milénio e os inícios do 3º milénio A.C..

Placas de xisto decoradas.

Sobre o nível de ocupação pré-histórica, identificou-se outra fase de utilização do monumento, de cronologia bastante recente. Esta fase caracteriza-se, sobretudo, pelo entulhamento da câmara e do corredor e, possivelmente, pela destruição parcial da estrutura arquitectónica da anta.

O monumento seria integralmente submerso pelo regolfo da barragem, pelo que, face à decisão do IPA de não se removerem os esteios e respectivos calços, as estruturas da câmara e corredor foram protegidas por uma protecção artificial de terra e pedra.