Zona histórica de Campo Maior (EDP)

Esta intervenção consistiu no acompanhamento arqueológico na zona histórica de Campo Maior, decorrente da abertura de valas para a instalação de cabos eléctricos, promovida pela EDP. Os trabalhos de afectação do subsolo decorreram entre 4 de Agosto e 2 de Setembro de 2003, tendo o acompanhamento decorrido no âmbito da minimização dos impactes negativos sobre o património, resultantes do revolvimento do subsolo.

Nas valas e travessias não se verificaram quaisquer estruturas com potencial arqueológico. Identificaram-se apenas algumas estruturas correspondentes ao saneamento básico e/ou água que, na sua maioria, ainda se encontravam activadas. Tratando-se de infra-estruturas recentes, e tendo em conta que não foram destruídas, optou-se pelo registo fotográfico e elaboração de esboços inerentes à sua localização.

Os materiais – descontextualizados – recolhidos nas diferentes camadas detectadas enquadraram-se no período cronológico comprendido entre os séculos XVII, XVIII e XIX, identificando-se grupos de cerâmica comum, cerâmica vidrada, faianças (possivelmente de produção local ou regional) e porcelana.

Saliente-se que os trabalhos de acompanhamento realizados na zona histórica de Campo Maior, assim como a articulação institucional das entidades envolvidas no empreendimento, permitiram a aplicação eficaz de uma efectiva medida de minimização de impacte sobre o património arqueológico.