Rua das Flores nº 59, Lisboa (infraestruturas telefónicas)

Entre 31 de Janeiro e 5 de Fevereiro de 2005, a ERA-Arqueologia levou a cabo o acompanhamento arqueológico na área afectada pela abertura de uma vala para colocação de infraestruturas telefónicas em torno do edifício nº 59 da Rua das Flores em Lisboa. De carácter preventivo, estes trabalhos inseriram-se numa perspectiva de minimização de impactes decorrentes da remoção de terras no subsolo, visando a detecção de vestígios arqueológicos e a sua caracterização acerca do valor patrimonial e científico.

Foram identificadas quatro estruturas de interesse patrimonial e/ou arqueológico. No que respeita às características dos vestígios detectados, estes surgiam, na maior parte da vezes, truncados e isolados, situação esta provavelmente resultante das sucessivas intervenções no subsolo que este espaço foi sofrendo pela sucessiva instalação de outro tipo de condutas (tubagem antiga da água, saneamento básico e electricidade).

Na maioria dos casos, as medidas de minimização consistiram no registo das estruturas bem como a sua protecção com geotêxtil, só tendo sido desmontado o muro 1. Dado o reduzido valor patrimonial e a ausência de cronologias para as estruturas afectadas pela empreitada foi obtida autorização, pelo Instituto Português de Arqueologia, para o desmonte das mesmas após a sua caracterização e respectivo registo.