Linha de Muito Alta Tensão Bodiosa-Valdigem

A intervenção da ERA-Arqueologia no âmbito da implantação da Linha de Muito Alta Tensão Bodiosa-Valdigem (distrito de Viseu) a 400Kv consistiu na realização de trabalhos de prospecção prévia e acompanhamento arqueológico das obras de execução. Estes enquadraram-se numa perspectiva de aplicação de medidas de minimização preconizadas na respectiva Declaração de Impacte Ambiental.

Numa fase prévia à realização das prospecções arqueológicas, efectuou-se uma pesquisa bibliográfica de modo a identificar sítios já conhecidos na área a ser afectada e proceder à sua relocalização. As prospecções visaram a identificação de eventuais sítios ainda não registados e determinar quais as medidas de minimização de impacte necessárias em cada caso específico. Pretendia-se com o acompanhamento arqueológico identificar possíveis situações de impacte negativo sobre o património arqueológico que pudessem ser provocadas pela obra.

Através da consulta da bibliografia sobre as áreas afectadas por esta construção, nomeadamente o Estudo de Impacte Ambiental, e das prospecções prévias, registaram-se 16 elementos patrimoniais e/ou arqueológicos sobre os quais se poderia verificar um impacte negativo. Contudo, em apenas um caso o impacte negativo seria directo  Santa Helena, onde se realizaram sondagens arqueológicas. Os restantes elementos foram mencionados porque se encontravam nas imediações da linha, e qualquer alteração do traçado teria que levar em consideração esses elementos.

Os dados das prospecções arqueológicas representaram um aumento significativo na informação disponível, nomeadamente a identificação de elementos patrimoniais e arqueológicos inéditos. A aplicação das medidas de minimização preconizadas permitiu concluir que não foram afectados níveis estratigráficos ou estruturas de valor arqueológico e patrimonial. Por sua vez, o acompanhamento arqueológico realizado permitiu uma efectiva minimização de impacte negativo sobre a obra sobre o património identificado.