Av. da Liberdade e Praça da Figueira, Lisboa (EDP)

Estes trabalhos de acompanhamento arqueológico de uma obra da EDP conducente à abertura de valas para instalação de infra-estruturas eléctricas ocorreram num troço compreendido entre a Av. da Liberdade e a Praça da Figueira, em Lisboa. Realizados entre os dias 3 de Abril e 29 de Junho de 2006, consistiram numa medida de minimização do impacte sobre os vestígios arqueológicos postos a descoberto.

Tendo lugar em zonas de nível 1 e nível 2 do PDM, o acompanhamento permitiu o registo de um conjunto significativo de estruturas arqueológicas – algumas relativamente bem conservadas – correspondentes a diferentes períodos históricos, que situámos, grosso modo, entre os séculos XVI e XVIII. De entre as estruturas identificadas refira-se um conjunto de caneiros e caleiras, outrora importantes na rede de escoamento de esgotos domésticos e águas pluviais da Lisboa antiga, encontrando-se, na sua maioria, desactivadas.

A par destas estruturas e de outras relativamente às quais não foi possível compreender a sua funcionalidade, registou-se igualmente o aparecimento de vestígios de pavimentos empedrados. Estes surgiram em diferentes fases de abertura das valas e encontravam-se, nalguns casos, bastante afectados.

As realidades arqueológicas detectadas motivaram a execução de sondagens de diagnóstico na Praça de D. Pedro IV e na Rua da Betesga, entre 18 e 24 de Abril de 2006. No seguimento, definiram-se medidas de minimização de impacte da obra sobre o património arqueológico, limitando-se a 1 m a profundidade máxima das valas. De referir ainda que alguns contextos arqueológicos postos a descoberto foram alvo de trabalhos de escavação arqueológica de curta duração.