Rua Rasquinho nº 22, Faro

Concretizados em 2006, com a duração de cinco dias, estes trabalhos de acompanhamento arqueológico enquadraram-se numa perspectiva de minimização de impactes patrimoniais face às obras de remodelação do edifício nº 22 da Rua Rasquinho, em Faro. Inicialmente, as obras previam a escavação de valas de fundação que afectariam o subsolo a uma cota superior a 1,5 m, no entanto, alterações posteriores no projecto vieram a diminuir a afectação para uma cota não superior a 60 cm.

Durante o acompanhamento, registaram-se apenas níveis de aterro durante as movimentações de subsolo, não tendo sido detectados quaisquer níveis arqueológicos. Verificaram-se materiais característicos de entulhos urbanos (garrafas, tijolo industrial, plástico) de cronologia recente misturados com vestígios residuais de cerâmica do período islâmico, resultado de movimentações de terras provenientes de contextos arqueológicos aquando da construção deste edifício.

Assim, foram atingidos os objectivos apresentados no plano de trabalhos de minimização de impactes patrimoniais apresentado ao Instituto Português de Arqueologia.