Largo do Príncipe Real, nº 32, Lisboa

Esta intervenção enquadrou-se numa perspectiva de diagnóstico e avaliação do potencial científico e patrimonial dos contextos arqueológicos presentes no edifício do Largo do Príncipe Real, nº 32, em Lisboa, no âmbito de um projecto de reabilitação. Teve como objectivos a recolha de dados que permitissem programar uma correcta e fundamentada minimização de impactes sobre o património decorrentes da implementação do projecto.

Visou-se também a antecipação de eventuais problemas decorrentes de exigências de instituições púbicas relativamente ao conhecimento do potencial arqueológico, bem como a recolha de elementos que permitissem a correcta programação da obra, por forma a evitar eventuais atrasos resultantes da necessidade de realizar trabalhos de natureza arqueológica.

Realizaram-se três sondagens poço distribuídas pelo espaço de forma a obter uma avaliação da estratigrafia em toda a área a afectar. Foi possível aferir que a maioria dos contextos arqueológicos ali identificados correspondiam a aterros de diferentes épocas, à excepção da Sondagem/Poço 1, onde foram registados vestígios relacionados com um edifício pré-existente. Com base nestes dados, propusemos como medida de minimização genérica o acompanhamento arqueológico de todos os trabalhos que implicassem remoção de terras até ao nível geológico.

Na sequência do parecer do Instituto Português de Arqueologia de 19 de Dezembro de 2006, proceder-se-ia à escavação arqueológica dos contextos arqueológicos a serem afectados pela empreitada, sendo proposta a remoção mecânica dos níveis de superfície até ao topo das evidências estruturais, dado se tratarem de aterros contemporâneos. Por fim, e por razões de segurança, procedeu-se ao fecho destas sondagens até ao início da empreitada.