Barragem de Picote, Miranda do Douro (arte rupestre)

Esta intervenção consistiu na realização, em 2008, de um diagnóstico de potencial arqueológico e das condições de execução de ulteriores trabalhos de prospecção dirigido à identificação de arte rupestre na zona de afectação da empreitada «Aproveitamento Hidroeléctrico do Douro Internacional. Picote – Reforço de Potência», em Miranda do Douro.

Com efeito, as acções de diagnóstico e prospecção visaram a identificação de gravuras rupestres, sendo, porém, praticamente nulas as expectativas de identificar pinturas conservadas. No troço percorrido, e talvez devido às condições de jazida, não se destacaram, à micro-escala, loci com características geológicas peculiares (abrigos, superfícies com cores distintivas, etc.), muitas vezes preferidos para a elevação a locais sagrados por meio da aposição de gravuras ou pinturas.

Verificou-se uma profusão de pequenas fendas horizontais no granito, mas sendo, na sua maioria, inacessíveis. Na zona de contactos entre xistos e granitos fez-se o reconhecimento do que poderia ser a secção superior de um abrigo em xisto, mas sem registos. As próprias superfícies deste xisto, embora de considerável dureza, não se encontram entre as mais propícias para a gravação. Além disso, escassearam as superfícies apaineladas, mais favoráveis à ostentação e conservação de arte rupestre.

Apesar disso, salientou-se que, no caso de se verificar nova descida das águas da albufeira de Picote para uma cota inferior a 430m, haveria todo o interesse em proceder a nova prospecção neste troço do vale, sobretudo nas zonas de xisto, onde as superfícies se encontram melhor conservadas. Este diagnóstico revestiu-se de um carácter pioneiro em Portugal, sendo os resultados da análise efectuada (que seria desejável realizar-se com uma equipa transdisciplinar que incluísse especialistas noutros domínios, designadamente geólogos) certamente relevantes para a elaboração de futuros projectos de investigação e conservação de arte rupestre.