Casas Mortuárias de Alhandra

A intervenção arqueológica realizada na área do edificado onde iriam ser construídas as novas Casas Mortuárias de Alhandra enquadrou-se numa perspectiva de minimização de impactes sobre o património arqueológico decorrente das obras de construção de um novo edifício. Adjudicada à ERA-Arqueologia pela Câmara Municipal de Vila Franca de Xira, decorreu entre 19 de Fevereiro e 12 de Março de 2008.

Os trabalhos consistiram na realização de 5 sondagens de diagnóstico arqueológico (1 m x 1 m), perfazendo uma área total de 5 m², com vista à avaliação e caracterização preliminar do potencial científico e patrimonial dos contextos arqueológicos presentes no local. Note-se que as áreas e profundidades intervencionadas corresponderam ao volume de afectação de cada sapata.

Previamente às sondagens, procedeu-se ao registo gráfico e fotográfico de uma área de 20 m² do aparelho construtivo de um conjunto de paredes do edificado e ao acompanhamento permanente da respectiva demolição. As sondagens foram implantadas de forma a obter uma amostra significativa da estratigrafia arqueológica do local.

Esta intervenção possibilitou a identificação de contextos relacionados com a ocupação do espaço na zona do antigo casario demolido, desde o século XVII até à actualidade, momento em que é demolido. Tendo em consideração os contextos identificados, propôs-se, entre outras medidas de minimização, que as 29 sapatas por abrir deveriam ser escavadas com acompanhamento arqueológico permanente directo e continuado.