Calçada da Graça, nº 8, Lisboa

As sondagens arqueológicas desenvolvidas no interior do edifício situado na Calçada da Graça, nº 8, em Lisboa, inseriram-se numa perspectiva de diagnóstico e estudo prévio no âmbito do projecto de remodelação do referido imóvel.

Anteriormente a esta intervenção, os trabalhos de escavação associados à obra foram iniciados de forma inadvertida, sem qualquer acompanhamento de carácter arqueológico, até uma profundidade aproximada de 80cm/1m, o que resultou na quase inexistência de níveis antrópicos a analisar em sondagem arqueológica.

Por sua vez, as sondagens não revelaram qualquer contexto de carácter arqueológico, embora tenham sido recolhidos alguns materiais dispersos como fragmentos de cerâmica comum, cerâmica vidrada, metal, vidro e fauna mamalógica e ictológica. Posto isto, o substrato dominante referiu-se ao nível geológico local (sondagens 1, 2 e 3).

Realizadas as sondagens, e concedida a respectiva autorização do IGESPAR para a prossecução dos trabalhos, procedeu-se ao acompanhamento arqueológico da área a intervir, materializado na abertura de 4 poços de 1,50m X 1,50m. Tanto o poço 1 como o poço 2 não apresentaram senão as unidades correspondentes aos níveis geológicos locais (de areia amarela e afloramento rochoso).

Relativamente ao poço 3, para além de alguns depósitos argilo-arenosos, com inclusão de tijolo recente, ossos e metal, foi identificada uma parede de calcário, praticamente só visível em corte e sem quaisquer contextos arqueológicos associados. Finalmente, no poço 4, foram identificados alguns depósitos de entulho, com inclusão de um esgoto em grés, seguidos do nível geológico. Não foram identificados quaisquer contextos arqueológicos.