Rua do Arco, 5-7, Faro

No âmbito da remodelação do edifício sito na Rua do Arco, n.ºs 5 a 7, em Faro, numa zona classificada como “Espaço Urbano Histórico de Faro”, foram programados trabalhos arqueológicos numa perspectiva de minimização de impactes sobre o património arqueológico decorrentes das obras em questão.

De forma a caracterizar o subsolo na área a afectar pelo projecto e a diagnosticar o potencial arqueológico do local, foram realizadas quinze sondagens arqueológicas de diagnóstico no interior e no exterior do edifício. Estas sondagens permitiram a caracterização dos contextos presentes neste local.

Assim, na zona exterior nas traseiras do edifício, identificaram-se estruturas associadas ao jardim do edifício, como uma fonte, pilaretes decorativos e muros delimitadores dos espaços de circulação, de cronologia contemporânea. Registaram-se também diferentes canalizações de período contemporâneo, em fibrocimento, e de período moderno, em alvenaria, associadas ao sistema de saneamento básico da cidade.

Sondagem 9, fonte sob estrutura.

Para além destas realidades, observaram-se, cobertos por um nível de entulho, contextos arqueológicos preservados, consistindo em muros, suas áreas de derrube e níveis de entulho, apontando para uma ocupação habitacional deste espaço em período medieval/moderno. O muro mais recente surge associado a um depósito com materiais do século XVI, enquanto os mais antigos são encostados por um depósito que parece enquadrar-se cronologicamente no período medieval cristão.

Após a realização desta fase de diagnóstico e considerando os resultados obtidos, preconizou-se, como medida de minimização geral, o acompanhamento arqueológico da empreitada sempre que ocorressem remoções de terra, desmonte de estruturas ou outras acções com afectação directa no subsolo ou em elementos edificados.