Palácio dos Condes de Murça, Lisboa (2ª intervenção)

Os trabalhos arqueológicos realizados no âmbito da empreitada de contenção periférica do Palácio dos Condes de Murça decorreram entre 25 de Outubro de 2010 e 14 de Março de 2011, um total de 30,5 dias divididos por períodos de tempo intercalados por actividades não sujeitas a acompanhamento arqueológico.

Esta intervenção decorreu de uma campanha de sondagens poço de diagnóstico realizadas em 2007 (BRAZUNA, 2007), cujas medidas de minimização daí decorrentes e aprovadas pelo IGESPAR se resumiam à realização de acompanhamento arqueológico por não terem sido detectadas realidades arqueológicas relevantes. No decorrer dos trabalhos foi registada uma série de estruturas relacionadas com as realidades edificadas que existiam no terreno do palácio e que, numa fase prévia ao arranque desta empreitada, foram demolidas.

Para além destas, relacionadas com fases de ocupação anteriores às dos edifícios demolidos, foram registadas estruturas na plataforma superior na área limitada a Oeste pela capela e a Este pela parede do Anexo 1, adjacente ao palácio, no sentido perpendicular a este. É possível que se tratassem de antigas estruturas de apoio ao palácio ou à capela e que, entretanto, foram substituídas pelos anexos mais recentes, demolidos na fase prévia ao início da empreitada.

Por fim, destacou-se a presença de uma estrutura identificada junto ao muro de delimitação da propriedade, paralelo à Rua São João da Mata. Aparentemente, a vala de fundação deste muro terá afectado a construção que, por sua vez, numa fase mais recente, terá sido entaipada, por motivos que se desconhecem.

Do conjunto das estruturas aqui registadas, procedeu-se ao desmonte acompanhado das mesmas após o devido registo gráfico e fotográfico. Apenas uma foi mantida in situ, por não se verificar a necessidade da sua afectação no decorrer desta fase da empreitada. No que respeita ao conjunto artefactual recolhido, este apontou para cronologias entre os séculos XIX e XX, tendo surgido elementos cerâmicos associados ao período compreendido entre os séculos XVI e XVIII.