Rua Diogo do Couto, 8, Lisboa

A sondagem arqueológica manual de diagnóstico e a emissão de parecer efectuadas, em 2012, no âmbito do empreendimento de reabilitação do edifício sito na Rua Diogo do Couto, 8, em Lisboa, foram adjudicados à ERA pela GAMAIMÓVEIS-EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS, S.A.

Face a movimentações de terras sem acompanhamento arqueológico (realizações de sapatas e construção de caixa de elevador com recurso ao aproveitamento de uma despensa existente no subsolo), propôs-se ao IGESPAR a execução, como se referiu, de uma sondagem arqueológica com vista à caracterização da estratigrafia do local e à emissão de parecer arqueológico.

Na sequência destes trabalhos, foi detectada uma estrutura interpretada como sendo um forno de fundição de vidro, não só pela análise possível da estrutura em si, mas também por terem sido recolhidos no local evidências das várias fases de produção desta matéria (escória, fragmentos de peças com defeitos). Perante os dados disponíveis, poder-se-ia atribuir uma cronologia lata de abandono desta estrutura entre a 2ª metade do séc. XVII e o séc. XVIII.

Para além destes trabalhos, foi ainda acompanhada a abertura de uma vala na área onde, numa fase prévia, foram abertas as sapatas, não tendo sido observados quaisquer vestígios arqueológicos.

Analisando os resultados obtidos e as informações orais e fotográficas fornecidas pelo executante desta empreitada, supôs-se que não houve bens patrimoniais afectados durante a abertura das sapatas, tendo em conta que o forno identificado na sondagem estava cerca de 40 cm abaixo da cota de afectação das sapatas. Como medida de minimização, foi recomendada a cobertura desta estrutura com geotêxtil e areia e a finalização do aterro da sondagem com material resultante da abertura da mesma.