Museu de São Roque, Lisboa (3ª intervenção)

Executados em 2014, estes trabalhos arqueológicos integraram-se no projecto da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa de adaptação de espaços para a instalação da Biblioteca Brotéria, reinstalação da Biblioteca da SCML e serviços afectos à secretaria-geral.

A intervenção no Complexo de São Roque consistiu em sondagens de diagnóstico integradas no Plano de Sondagens Geotécnicas e Sondagens Estruturais, requerido pela equipa projectista. O objectivo foi avaliar o potencial arqueológico das áreas em questão de modo a informar o Projecto de Estabilidade relativamente à presença de vestígios arqueológicos e, simultaneamente, informar o projecto de Geotecnia.

Na sondagem 3, registou-se a presença de uma estrutura, a cerca de 40 cm de profundidade, que ocupava toda a área da sondagem. Dada a impossibilidade física de continuar a escavação, bem como a inviabilidade de compreensão da estrutura, foi decidida a abertura de outra sondagem na mesma área, a cerca de 5 metros a Sul da sondagem 3. Nesta, verificou-se a presença de uma sucessão de níveis de aterro, de um caneiro reaproveitado para captação de águas pluviais e, também, de uma estrutura que atravessava toda a sondagem e que deveria corresponder a um antigo alicerce.

No caso da sondagem 4, registou-se igualmente uma sucessão de aterros e uma estrutura que deveria corresponder a um antigo alicerce, cortado aquando da construção do actual edifício. Tal como no caso da sondagem 5, atingiu-se o substrato geológico, a cerca de 2,40m, mas não foi possível atingir o final do alicerce do actual edifício. Os materiais associados, particularmente as faianças, enquadram-se entre os séculos XVII e XIX.

Estas sondagens não permitiram caracterizar ou perceber a funcionalidade de todas as estruturas encontradas, nem a sua relação com os actuais edifícios. Assim, qualquer afectação de subsolo decorrente da execução do projecto deveria ser precedida de sondagens de diagnóstico arqueológico, a implantar numa área mais central do espaço.