Rua do Facho nº 35, Óbidos

Os trabalhos arqueológicos levados a cabo no âmbito da empreitada de reconstrução/ampliação do prédio sito na Rua do Facho nº 35, em Óbidos, decorreram entre os dias 27 e 30 de Julho de 2015. Foram realizadas cinco sondagens arqueológicas manuais, de diagnóstico preliminar, permitindo assim uma primeira avaliação do potencial arqueológico da área de incidência do projecto e a consequente tomada de decisões quanto à natureza dos trabalhos arqueológicos subsequentes.

Desde logo se pôde afirmar que os trabalhos permitiram identificar, em todas as sondagens abertas, contextos de ocupação/utilização antrópica, embora na sua maioria de cronologia contemporânea. Em quatro das sondagens intervencionadas atingiram-se, à cota de afectação, os níveis geológicos, arqueologicamente estéreis, embora ainda em associação com sedimentos antrópicos, sem que se tenham detectado, nas áreas sondadas, vestígios arqueológicos edificados relevantes.

De facto, as Fases 3 a 5 do diagrama estratigráfico reportaram-se ao registo de estruturas contemporâneas ligadas à implantação da habitação, da ocupação e uso do logradouro, bem como ao seu posterior abandono e desagregação. A cultura material presente no sedimento da Fase 3 a) apontou a uma cronologia de inícios da contemporaneidade (finais do século XVIII a inícios do século XX). Já a análise estilística e formal da estrutura arquitectónica do edifício principal remeteu para a sua edificação no primeiro quartel do século XX.

A Fase 2, embora sem a presença de elementos estruturados, representou, no estado dos nossos conhecimentos, a fase mais antiga de ocupação deste espaço (cuja tipologia se desconhece), materializada num conjunto de depósitos com inclusão de cerâmica comum de cronologia moderna, não escavados na íntegra. O universo das formas presentes nestes depósitos revelou-se bastante homogéneo entre si, correspondendo a elementos datáveis da época moderna, com fragmentos enquadráveis no século XVI (louça malegueira, e peças com abas triangulares).

Finalmente, resta dizer que os depósitos arqueológicos com inclusão de cerâmica de cronologia moderna, postos a descoberto na sondagem 1, 2 e 3, apesar de se desconhecer a sua tipologia, encontraram filiação cronológica nos contextos arqueológicos de época moderna (mas com elementos mais antigos, medievais) que os trabalhos arqueológicos anteriormente realizados em diversos pontos da Vila de Óbidos permitiram registar.