Casa do Bispo, Rua Antero de Quental, Sesimbra

Estes trabalhos de acompanhamento arqueológico foram realizados, em 2012, no âmbito das obras na Casa do Bispo, em Sesimbra, que implicaram a picagem de paredes e afectação do subsolo. A necessidade de acompanhamento arqueológico adveio da localização deste imóvel na Zona de Protecção da “Capela do Espírito Santo dos Mareantes”.

As construções eram de alvenaria, constituídas por elementos pétreos e tijolo de burro, dispostos em fiadas, ligados por uma argamassa esbranquiçada. Nos compartimentos A e B, as paredes eram revestidas a estuque, verificando-se no compartimento C a presença de azulejos brancos e brancos com pintura a azul (motivos florais), enquadrados cronologicamente no século XX.

 

Na área exterior, após a remoção do pavimento em cimentos, registou-se a presença de um contexto de aterro/ entulho (depósito [115]). A componente artefactual recolhida neste depósito indiciou uma cronologia do século XIX-XX para a sua formação, já que coexistiam faianças datáveis do século XVIIXVIII (pintura a azul e azul e manganés) com fragmentos já produzidos nos séculos XIX - XX (pintura a azul, amarelo e verde).

 

O acompanhamento arqueológico realizado permitiu caracterizar o aparelho construtivo do edificado, onde predomina a alvenaria constituída por elementos pétreos e tijolo de burro, dispostos em fiadas, tendo como ligante argamassa. A presença de azulejos datáveis do século XX comprova a longevidade de utilização deste edifício. No que concerne ao subsolo, a afectação da presente obra incidiu em contextos de aterro/entulho, datados de época contemporânea.