Rua Beato Rodrigues e Av. Combatentes da Grande Guerra, Alcochete

Enquadrados num projecto de licenciamento na Rua Beato Manuel Rodrigues e na Avenida dos Combatentes da Grande Guerra, em Alcochete, estes trabalhos foram adjudicados pela Playgroup Imobiliária, Lda. e decorreram em 11 e 12 de Maio de 2017. O objectivo foi o diagnóstico prévio de uma área abrangida por uma Zona Especial de Protecção da Igreja de Alcochete, Capela da Nossa Senhora da Vida e Igreja da Misericórdia de Alcochete.

De uma forma geral, e de um momento mais antigo para o mais recente, a base inicial de ocupação humana deveria situar-se por cima dos depósitos compostos por areias concrecionadas e que apresentavam uma inclinação no sentido N-S e E-W. A industria lítica e o fragmento de cerâmica manual identificados terão feito parte de um pequeno contexto indeterminado de ocupação pré-histórica que se encontrava remexido e descontextualizado.

Após este provável momento de ocupação (provável porque estes sedimentos heterogéneos podiam vir de outros lados), o local deve ter permanecido durante milénios como um terreno baldio. Já em épocas históricas, esta área, localizada fora do centro urbano antigo de Alcochete, deve ter sido utilizada para actividades agrícolas e/ou terrenos baldios. Corresponde esta análise à inexistência de estruturas mais antigas aos actuais edifícios e à heterogeneidade dos matérias presentes nos depósitos, abarcando um amplo espectro cronológico.

Em 1927 são construídos os actuais edifícios. Estes terão sofrido remodelações ao longo do século XX, nomeadamente ao nível do piso, onde foi identificado um barrote de travejamento de chão do tipo caixa de madeira. Estas alterações relacionam-se também com a presença de restos de argamassas e um fragmento de azulejo verde, igual aos que revestem a casa de azulejos verdes na mesma rua. A juntar-se à circunstância de tudo se encontrar descontextualizado, está a fraca potência estratigráfica registada, com depósitos de areias concrecionadas do plistocénico entre os 30 e os 90 cm.

Assim, não tendo sido identificados contextos e/ou estruturas arqueológicas preservadas, e como o projecto de construção apresentado no plano de trabalhos poderia sofrer alterações, tendo de submeter-se a novo licenciamento, deram-se por concluídos estes trabalhos de diagnóstico arqueológico. Considerando os resultados obtidos e um projecto de construção para este local, situado em Zona Especial de Protecção, preconizou-se como medida de minimização o acompanhamento arqueológico de todos os trabalhos de escavação.