Linha Portimão-Tunes Norte/Portimão-Tunes 3

Executados entre Outubro de 2010 e Abril de 2011, estes trabalhos de prospecção e acompanhamento arqueológico decorreram no âmbito do projecto de construção da Linha Portimão-Tunes Norte/Portimão-Tunes 3, a 400/150 kV. Levou-se a cabo o acompanhamento permanente de todos os trabalhos de movimentação de terras, designadamente decapagem e desmatação, abertura de acessos, terraplenagens, escavação de caboucos e execução de plataformas de trabalho necessários para o desenrolar da obra.

Dos 28 Elementos Patrimoniais referenciados no EIA, apenas foi possível localizar oito. As razões são de diversa ordem, tais como a insuficiência de elementos para os relocalizar, o facto de os sítios se encontrarem localizados em propriedades privadas e, também, alguns se encontrarem submersos pela albufeira da Barragem do Funcho. Por fim, os restantes são sítios onde o acesso é difícil devido à densa vegetação encontrada no local, bem como o facto de muitos já terem sido destruídos, tendo simplesmente desaparecido.

No decurso dos trabalhos de prospecções foram identificados 24 novos Elementos Patrimoniais, estando a maioria deles distanciados das frentes de trabalho, não sofrendo directamente nenhuma ameaça de afectação.

Existiu necessidade de se efectuar a vedação/sinalização de alguns elementos, devido ao facto de estes se encontrarem sob o alinhamento da actividade de desenrolamento de cabos ou por se encontrarem a menos de 100 m da actividade de desenrolamento de cabos. O Elemento Patrimonial nº 47 – Pego Escuro de Cima 2, embora localizado a menos de 100m do alinhamento de desenrolamento de cabos, não foi sujeito a vedação/sinalização devido ao facto de se encontrar parcialmente submerso pelas águas da albufeira da Barragem do Funcho, não tendo sofrido qualquer afectação.

Foi ainda necessário proceder à sinalização/vedação dos Elementos Patrimoniais nº 45 – Pego Escuro de Cima e nº 46 – Pego Escuro de Cima 1, devido à proximidade destes com o acesso para o apoio P 69/P 68. Com a intensificação dos trabalhos neste apoio, e a passagem sucessiva de maquinarias, procedeu-se à vedação/sinalização destes elementos para impedir a sua afectação.

De todos os trabalhos sujeitos a acompanhamento arqueológico, que visaram a afectação do subsolo em 37 apoios, bem como áreas envolventes e outras onde existiu a necessidade de se efectuarem trabalhos de desmatações, escavações ou terraplanagens, não foram identificados vestígios arqueológicos e/ou patrimoniais.