EPAL - Rua da Prata, n.º 163, Lisboa

O acompanhamento arqueológico desenvolvido no contexto da reabertura de vala para renovação das infraestruturas da rede da EPAL na Rua da Prata, n.º 163, em Lisboa, decorreu no dia 20 de Maio de 2014. Visou-se a detecção de eventuais vestígios arqueológicos afectados pelas obras, a sua caracterização em termos valor científico e patrimonial e uma proposta de eventuais medidas de minimização.

Note-se que, sendo uma das principais artérias da Baixa de Lisboa, a actual Rua da Prata é, do ponto de vista da Arqueologia, sobretudo conhecida pelas «termas da Rua da Prata», dedicadas a Esculápio, descobertas em 1770. Estas estruturas arqueológicas são igualmente conhecidas por «Termas dos Augustais» e a sua descoberta enquadra-se cronologicamente nas obras de reedificação pós-terramoto de 1755.

As acções de acompanhamento levadas a cabo pela ERA permitiram aferir a grande afectação da área por infraestruturas no subsolo, tendo em conta não só a estratigrafia apurada, como também a proximidade a uma caixa de visita da EPAL. Não foram identificados contextos arqueológicos preservados, nem materiais associados a qualquer depósito identificado com relevância patrimonial.