Calçadinha de Santo Estêvão, 10-16, Lisboa

Os trabalhos arqueológicos realizados pela ERA-Arqueologia no âmbito do empreendimento “Obras em Imóvel na Calçadinha de Santo Estêvão nr.10/16” decorreram entre os dias 15 e 25 de Novembro de 2014. A intervenção decorreu em três fases, durante as quais se procedeu ao acompanhamento arqueológico do rebaixamento da metade Noroeste do edificado, à escavação arqueológica da vala perimetral e à escavação arqueológica das áreas de incidência das três caixas de saneamento projetadas.

A primeira fase da intervenção permitiu reconhecer a estratigrafia de ocupação do local, tendo sido identificados os depósitos no qual assentariam os últimos níveis de circulação (já removidos pela atual empreitada aquando da entrada em obra da arqueologia) e a infraestrutura de saneamento que o servia, a qual apresentava pelo menos um momento de remodelação. As restantes duas fases permitiram confirmar que a ocupação contemporânea deste local resultava de uma reestruturação do edificado oitocentista, o qual assentava diretamente no substrato geológico, composto pelas “areias da Quinta do Bacalhau”, aqui representadas por um sedimento argiloso de granulometria fina e com coloração esverdeada.

A presença destas argilas, no entanto, não representaram o fim dos níveis antrópicos, tendo os seus primeiros 20-30cm apresentado vários materiais cerâmicos, resultantes de escorrências pela encosta em direção à Rua dos Remédios, e tendo sido identificada uma grande fossa de descarte, nela escavada, e selada pelo atual edificado, contendo um acervo material considerável datado do século XVIII.