Levantamento Arqueológico das Bacias Hidrográficas dos Rios Sado e Mira

Realizado em 1999, o levantamento do Património Arqueológico da Bacia Hidrogáfica do Rio Sado e do Litoral Sado, baseado em recolhas bibliográficas e posteriormente cartografado, permitiu estabelecer algumas considerações gerais.

Em primeiro lugar, as zonas de maior densidade de ribeiras são as mais ocupadas, estando a ligação do homem aos recursos hidrícos atestada desde as épocas mais remotas. Na bacia litoral as áreas ocupadas são as zonas de falésia, junto a Sines, e Setúbal, e a zona de ribeiras, junto de Santiago do Cacém. O resultado final forneceu três manchas de ocupação distintas, associadas a diferentes áreas geográficas, associadas a diferentes períodos cronológicos.

Em segundo lugar, a construção de grandes empreendimentos de aproveitamento hidráulico provocou a submersão de alguns elementos patrimoniais. Como estes se encontravam devidamente localizados foram cartografados. Refira-se que diversas barragens (Monte da Rocha, Roxo, Odivelas, Alvito, Vale de Gaio e Pego do Altar) apresentaram vestígios arqueológicos que se encontravam submersos.

Quanto à Bacia Hidrográfica do Rio Mira, os resultados do levantamento patrimonial desta região apresentaram-se bastante parciais. A ausência de PDM para o Património Construído, ou de estudos para este âmbito, tornaram a análise patrimonial desta bacia muito difícil.

Acresceu a parcialidade da investigação arqueológica, incidindo especialmente em épocas muito específicas. Deste modo a distribuição espacial dos sítios cartografados incidiu em áreas muito restritas: as zonas de falésia do litoral Mira e a área circundante do Castro da Cola.

A maioria dos registos referiram-se ao património arqueológico. Contudo, a extrema restrição cronológica destes trabalhos viciou a análise final. Acreditou-se que o levantamento efectuado não reflectiu o verdadeiro valor patrimonial desta bacia. Os trabalhos efectuados na zona do Castro da Cola, cuja dimensão permitiu a criação de um interessante circuito arqueológico, provaram que muita investigação estava ainda por realizar.