El Pico, Extremadura, Espanha - 2ª Campanha

A campanha de 2002 em El Pico, Cheles, Comunidade Autónoma da Extremadura (Espanha), ocorreu no âmbito das actuações de minimização dos impactes provocados pelo enchimento da albufeira da Barragem do Alqueva.

Com a primeira intervenção (2001) pretendeu-se, não só avaliar o estado de conservação das estruturas e determinar o grau de impacte nas sucessivas fases de desmatação e enchimento da barragem, mas também determinar a potencialidade científica deste conjunto arqueológico. Dada a complexidade dos resultados, revelou-se fundamental haver uma continuidade dos trabalhos desenvolvidos.

A segunda intervenção focar-se-ia na compreensão do sistema defensivo, no tipo de ocupação de ambos os cabeços e no seu enquadramento cronológico. Parte destes objectivos foram alcançados, no entanto, tornou-se impreterível uma nova campanha uma vez que os dados recolhidos foram insuficientes para uma caracterização rigorosa do sítio. Pôde-se avançar que El Pico teve uma ocupação entre o séc. I a.C. e o séc. II d.C. Apesar de ter um cariz militar na sua ocupação mais antiga, a sua implantação privilegiada conduziu, não ao abandono que caracteriza outros sítios de carácter defensivo, mas antes um desenvolvimento das suas infraestruturas, patente na extensão do povoado e na ocupação diacrónica do espaço envolvente.

Sondagem.

A submersão total de El Pico conduziria, inevitavelmente, a uma degradação contínua provocada pelo arrastamento das terras que culminaria na sua destruição total. Assim, propusemos intervencionar cerca de 500 m2, a fim de resolver algumas questões interpretativas, fundamentais para a compreensão do sítio.