Largo dos Lóios e Rua de Santiago (EPAL - PPF)

Os trabalhos arqueológicos realizados no Largo dos Lóios e na Rua de Santiago tiveram como objectivo o diagnóstico no âmbito do plano de medidas de minimização do Plano de Perdas e Fugas da EPAL. O facto de ser uma Zona 1 (PDM) implica a realização de sondagens diagnóstico sempre que a área não tenha sido já aberta.

Deste modo, a implantação das dez sondagens incidiu no novo traçado das infraestruturas, procurando-se um espaçamento que abarcasse a maior área possível. A única excepção a estas directrizes referiu-se às sondagens 6 e 7, marcadas em frente à Igreja de Santiago, o que se justificou por ser uma zona com maiores probabilidades de se registarem contextos funerários preservados.

Nas sondagens 1, 2, 3, 5 e 9 registou-se a presença das infraestruturas do gás e da electricidade, tendo-se optado por terminar os trabalhos por questões de segurança. As valas abertas para a colocação destas infraestruturas implicaram a destruição de eventuais contextos preservados que pudessem aí existir. Nas sondagens 4 e 10 registou-se apenas a electricidade.

Relativamente às sondagens 6 e 7, de maiores dimensões, registaram-se infraestruturas relacionadas com a EPAL, mas atravessavam as sondagens transversalmente. Apenas na sondagem 7 se registou um depósito com cronologia mais recuada – período moderno. Na sondagem 8 identificou-se uma estrutura, interpretada como caleira.