Rua da Judiaria e Arco do Rosário, Lisboa

Os trabalhos arqueológicos efectuados, em 2006, na Rua da Judiaria e Arco do Rosário, no âmbito da renovação da rede da EPAL (PRR 48), consistiriam na realização de quatro sondagens diagnóstico, com o objectivo de avaliar o potencial arqueológico da área em questão.

As sondagens realizadas permitiram uma caracterização sumária da área a afectar pela instalação da nova canalização da EPAL, tendo-se registado essencialmente depósitos de aterro (Sondagem 1) e infra-estruturas contemporâneas (Sondagens 2, 3 e 4).

Na Sondagem 2 ficou por esclarecer a presença de dois blocos de calcário, aparentemente argamassados, podendo tratar-se de uma estrutura. No entanto, não foi possível confirmar esta hipótese, uma vez que se encontravam num espaço contíguo ao cabo da electricidade. Por razões de segurança, remeteu-se o seu esclarecimento para o acompanhamento arqueológico.

A componente artefactual recolhida apontou para cronologias mais recentes (Séculos XIX/XX), dado baseado exclusivamente na faiança e porcelana, uma vez que a análise dos fragmentos de cerâmica comum e vidrada, pela sua dimensão e características, não foi conclusiva.

Num espaço potencialmente fértil em termos arqueológicos, a reorganização do espaço ocorrida já em Época Contemporânea e a construção de infra-estruturas (electricidade) condicionaram a permanência de eventuais contextos preservados. A importância histórica desta zona da cidade implica necessariamente que, mesmo não se tendo registado nenhum contexto preservado nas sondagens realizadas, com uma possível excepção para a Sondagem 2, exista a probabilidade de surgirem realidades não identificadas durante a escavação.