EPAL - PRR 60 - Campo Mártires da Pátria/Graça

O acompanhamento arqueológico do projecto da EPAL - PRR 60, para a melhoria da rede de distribuição de água na cidade de Lisboa, consistiu na abertura de valas para remoção da antiga canalização e colocação de novas infraestruturas. O objectivo foi a detecção de eventuais vestígios arqueológicos que poderiam ser afectados no decorrer das obras, bem como a sua posterior caracterização em termos de valor científico e patrimonial.

Nos trabalhos desenvolvidos no PRR 60, em Campo Mártires da Pátria/Graça, foram abertas 29 valas. Embora a maioria se tenha revelado estéril em termos arqueológicos, foram identificados em algumas delas vestígios de carácter patrimonial, nomeadamente caleiras, muros, calçadas e outras estruturas de alvenaria, cuja funcionalidade ou cronologia não foi possível determinar pelo seu avançado estado de destruição ou pela fraca visibilidade, dada a reduzida largura das valas.

A nível artefactual, a presença de materiais não se revelou homogénea. Recolheram-se alguns materiais dispersos, nomeadamente fragmentos de cerâmica comum, vidrada, faiança, porcelana, metal e sílex. Cronologicamente, os materiais cerâmicos mais antigos datam do século XVII-XVIII (faiança), embora surgissem materiais contemporâneos nos mesmos depósitos. Destacou-se a presença de um conjunto de trempes nas Escadinhas do Monte, perto da Rua das Olarias.

Consideraram-se cumpridos os objectivos de minimização e prevenção que conduziram ao acompanhamento em causa. No caso das estruturas detectadas, houve um esforço permanente de minimização dos efeitos decorrentes das necessidades da empreitada, através de registo escrito, gráfico e fotográfico e sinalização das estruturas através de geotêxtil. Nos casos em se revelou inevitável o seu desmonte, foi consultado o IGESPAR.