Calçada da Graça, nº 8, Lisboa

A intervenção arqueológica no imóvel situado na Calçada da Graça, nº 8, em Lisboa, enquadrou-se no âmbito de um projecto de remodelação, visando a minimização de impactes sobre eventuais vestígios patrimoniais. Encontrando-se o edifício em zona de Nível 1 do PDM, a execução dos trabalhos decorreu entre o dia 18 e 23 de Agosto de 2009, perfazendo um total de 4 dias.

Procedeu-se à realização de uma sondagem de diagnóstico na actual área de logradouro, adjacente ao imóvel e a ser afectada pelos trabalhos projectados. A sondagem revelou estruturas que poderiam estar relacionadas com um complexo habitacional do período Pombalino ou anterior, a avaliar pelo piso de tijoleira do século XVIII, associado a uma parede respeitante ao interior de um espaço habitacional, com dois compartimentos.

Os níveis de aterro à superfície da sondagem e de lixeira sob o piso cerâmico revelaram uma diversidade de materiais arqueológicos cujas cronologias apontaram para uma diacronia de ocupação humana desde a Pré-história até à Idade Moderna. Foram registados os seguintes materiais: sílex; cerâmica comum, cerâmica esmaltada, faiança, cerâmica vidrada, azulejo, metal, fauna malacológica, fauna mamalógica, fósseis, etc, sugerindo, com efeito, a existência no local de vários momentos de ocupação humana neste espaço.

Por motivos de segurança, não foi possível prosseguir em profundidade com os trabalhos arqueológicos na sondagem, apesar da evidente continuidade de materiais arqueológicos.

Neste sentido, preconizou-se a continuidade dos trabalhos na área do logradouro face à afectação prevista até à cota necessária à execução da obra, primeiramente com a remoção, sempre acompanhada por um arqueólogo, dos níveis de aterro. Seguir-se-ia a escavação manual dos níveis arqueológicos identificados na sondagem de diagnóstico, salvo novas realidades que exigissem imediata intervenção manual, tendo sempre salvaguardadas as medidas de segurança necessárias e a consecutiva entivação dos cortes da escavação.