Sítio de Quinta dos Poços 4 e 5, freguesia de Parchal, Lagoa

Esta intervenção enquadrou-se numa perspectiva de avaliação e caracterização do sítio arqueológico Quinta dos Poços 4 e 5, freguesia de Parchal, Lagoa, identificado através de trabalhos de prospecção (Antunes, 2008; Oliveira, 2009). Deste modo, tornou-se possível adequar as obras previstas para aquela área aos vestígios aí identificados, pois o projecto encontrava-se ainda em fase de elaboração.

Estes trabalhos arqueológicos prévios permitiram igualmente um maior ajustamento das medidas de minimização em caso de afectação do sítio, uma vez que acrescentaram importantes dados à sua caracterização, impossíveis de aferir apenas com a prospecção do terreno. De forma a alcançar os objectivos, optou-se pela realização de 11 sondagens de diagnóstico, distribuídas em função das áreas onde se denotava uma maior concentração de vestígios, e de forma a abranger diferentes zonas do sítio, almejando definir os seus limites.

Os desígnios que orientaram a estratégia das acções arqueológicas no sítio de Quinta dos Poços 4 e 5 foram, de um modo geral, cumpridos, tendo-se caracterizado o tipo de ocupação e avaliado a sua extensão. Os dados reunidos permitiram confirmar que se trata de um único sítio arqueológico e não de dois, como se referia num dos levantamentos patrimoniais desta área (Antunes, 2008).

Porém, apesar de cumpridos os objectivos propostos, saliente-se que os resultados obtidos suscitaram quase tantas respostas como interrogações. De facto, os dados reunidos não esclareceram de forma cabal algumas questões relacionadas com o enquadramento cronológico e a funcionalidade concreta dos vestígios documentados, permitindo apenas hipóteses interpretativas.

A questão cronológica é tanto mais complexa quanto se nota que entre o escasso espólio recuperado se incluem materiais compreendidos entre o período romano (1 fragmento de terra sigillata) e a época contemporânea (vários fragmentos de faiança). No entanto, convém referir que a maioria dos exemplares se pode enquadrar no conjunto artefactual tanto de época Medieval como de época Moderna, destacando-se alguns fragmentos de cerâmica comum pintada e de cerâmica com vidrado melado e pintura a manganés, datáveis do período islâmico.

Dentro dos limites do sítio, a execução de quaisquer obras que implicassem a remoção de subsolo deveria ficar condicionada à escavação arqueológica integral da área susceptível de ser afectada, tendo em consideração as realidades estratigráficas documentadas nas sondagens de diagnóstico.