Quinta do Bom Sucesso – Caminho do Ramal, concelho de Abrantes

Executado nos dias 10 e 11 de Novembro de 2015, o acompanhamento arqueológico das obras na Quinta do Bom Sucesso – Caminho do Ramal, localizado em Alferrarede, concelho de Abrantes, centrou-se no trabalhos de remoção de terra para a implantação de infraestruturas de saneamento e telecomunicações.

Situada no Ribatejo, Abrantes define-se como uma cidade onde predominam vastas áreas florestais e um tipo de clima de influência Atlântico/Mediterrânico/Continental, tendo a sua proximidade ao Rio Tejo contribuído igualmente para que esta zona se tenha tornado, ao longo da História, importante a nível de ocupação humana. Disto são exemplo vários monumentos e edificados como a Igreja de Sta Maria do Castelo, a Igreja de São Vicente e o Castelo de Abrantes ou Fortaleza de Abrantes (antigo Palácio dos Marqueses de Abrantes).

É neste contextos que se insere o espaço correspondente à Quinta do Bom Sucesso, cuja fundação remonta ao séc. XVII, tendo uma das áreas do espaço edificado sido objecto destes trabalhos de acompanhamento. Localizado na freguesia de Abrantes (São Vicente e São João) e Alferrarede, este espaço apresenta-se de cariz predominantemente rural, com dependências agrícolas, para além do solar, de uma capela anexa e de uma torre, denominada Torre da Marquesa.

Desta forma, os trabalhos realizados com acompanhamento arqueológico cingiram-se às intervenções no solo e no subsolo, que foram efectivadas na abertura mecânica de 8 valas, 2 caixas de visitas e uma fossa.

Apesar de existirem referências, quer do local em si, quer da área envolvente, que permitiam antever a presença de vestígios de carácter arqueológico e/ou o surgimento de contextos preservados, tal facto não ocorreu. Isto deve-se à cota de afectação atingida em todas as áreas intervencionadas (pouca profundidade) e à ocorrência do nível geológico em muitas das áreas a pouca profundidade. Constatou-se, sob o pavimento composto por calçada à portuguesa, a existência de depósitos estéreis do ponto de vista arqueológico, não tendo havido uma grande afectação do local por intervenções recentes, de que é exemplo o surgimento de uma vala correspondente à instalação de infraestruturas de água.