Palácio da Inquisição, Palácio dos Condes de Basto e Páteo de São Miguel, Évora

Os trabalhos arqueológicos de acompanhamento e escavação efetuados nos edifícios Palácio da Inquisição, Casas Pintadas, Palácio dos Condes de Basto e Páteo de São Miguel, em Évora, decorreram entre Março de 2011 e Agosto de 2012.

A intervenção visou a minimização de impactes sobre o património arqueológico decorrentes da empreitada, assegurando, por um lado, a proteção dos valores patrimoniais que poderiam ser afetados pela prossecução das obras, e por outro, a recolha de informação sobre o local, contribuindo, dessa forma, para um aumento do conhecimento da história de Évora.

Os contextos mais antigos identificados são de cronologia romana, estando ausentes do registo arqueológico efetuado vestígios do passado pré-romano da cidade. Os contextos romanos mais significativos foram identificados na sondagem 2, no Pátio de Honra do Palácio da Inquisição, e estão relacionados com a construção de uma canalização e de um pavimento em opus associados ao fórum.

No que concerne aos contextos de cronologia islâmica, foram identificados muros e pavimentos associados a estruturas habitacionais, bem como estruturas negativas tipo fossa, cuja funcionalidade nem sempre foi possível determinar, tendo em consideração que a sua intervenção foi condicionada à cota e área de afetação do projeto de execução da obra. É contudo no Pátio de S. Miguel que se observam os contextos de maior relevância associados a este período.

Ainda no pátio de São Miguel, na antiga casa do guarda, foram identificadas três estruturas negativas tipo silo, destacando-se a que se encontra na extremidade oeste da área, por ter sido reaproveitada como lixeira, tendo estado em utilização nos séculos X-XI.

Foi possível identificar diversos contextos passíveis de associar ao período medieval cristão, não só à fase de reconquista, de que a reformulação do compartimento registado junto à porta da Traição é exemplo, como também a uma fase mais tardia, num período próximo da transição para a Época Moderna. No Palácio da Inquisição, o contexto arqueológico mais relevante passível de associar a este período está relacionado com a construção de uma cisterna cuja vala de fundação iria afetar antigas estruturas habitacionais do período islâmico. 

No que concerne aos contextos de época contemporânea, destacam-se os vestígios associados às obras de requalificação do Palácio dos Condes de Basto nos finais dos anos 50 do século XX, observados aquando da análise parietal realizada, designadamente negativos dos andaimes utilizados na obra, abertura de novos vãos de janela e aplicação de novos revestimentos.