Marinha Baixa

A Marinha Baixa é interpretada como lugar periférico associado ao sítio arqueológico da Torre (Cacia). Em função dos dados disponíveis, é possível traçar uma diacronia de ocupação do sítio definida em duas fases de cronologia tardo-romana, caracterizadas por um tipo de utilização do espaço especializada e de carácter plurifuncional, e uma terceira fase de cronologia indeterminada. Relativamente às duas primeiras fases, datadas do século IV à primeira metade do século VI, correspondem, com toda a probabilidade, a uma ocupação continuada na Marinha Baixa enquanto área industrial localizada na periferia do Sítio da Torre.

Em suma, a Marinha Baixa só pode ser amplamente perspectivada à escala do seu contexto local/regional. Um tal enfoque implica a incidência de uma especial atenção sobre um lugar central – O Sítio da Torre – num enquadramento global. Parece aventar – pelo menos como hipótese de trabalho – a probabilidade da sua implantação geográfica na linha de costa, junto à foz do Vouga, curso navegável até Cabeço do Vouga; este último sobranceiro ao traçado da Via Olisipo – Bracara.