Infraestruturas Rodoviárias

Alcariais dos Guerreiros de Cima

A intervenção arqueológica nos Alcariais dos Guerreiros de Cima (Gomes Aires, Almodôvar) puseram à vista um conjunto único para a arqueologia rural islâmica na região e no Garb Al-Andaluz.

Praça Dom Luís I

O empreendimento do Parque de Estacionamento da Praça Dom Luís revelou duas excecionais realidades – a espectacular grade de maré do Estaleiro Naval e o inigualável fundeadouro romano.

Parque da Cidade de Lagos

Os trabalhos de acompanhamento arqueológico realizados em Lagos, na área a afectar pelas obras de construção de um parque de estacionamento subterrâneo, Parque da Cidade/ Anel Verde, da responsabilidade do Consórcio EL, S.A.

Requalificação do Espaço Público da Rua da Vitória

No âmbito dos trabalhos de acompanhamento arqueológico associados à referida empreitada foram identificados contextos funerários preservados, no cruzamento da Rua da Vitória com a Rua dos Douradores, junto à Igreja de São Nicolau. Perante a necessidade de afectação dos mesmos para o prosseguimento dos trabalhos em curso programou-se a realização de uma sondagem arqueológica na área onde estes contextos foram identificados, que permitisse a escavação arqueológica integral dos mesmos na área e cota de afectação da obra.

A2 – Sublanço Grândola/Aljustrel

Estes trabalhos realizaram-se numa perspectiva de minimização de impactes sobre o património arqueológico eventualmente a afectar pela construção da A2 – Sublanço Grândola/Aljustrel.

A2 – Lanço Gomes Aires/VLA, Almodôvar

A ERA levou a cabo, em Agosto e Setembro de 1999, um levantamento do património arqueológico e construído na zona a afectar pela construção da autoestrada A2 - Lanço Gomes Aires/VLA

Ponte Europa, Rio Mondego (Coimbra)

A ERA Arqueologia realizou um diagnóstico arqueológico na área de construção do projecto da Ponte Europa, na margem esquerda do rio Mondego (Coimbra).

EN 235, variante Oliveira do Bairro/Sangalhos

A ERA-Arqueologia foi contratada para realizar um Estudo de Impacte Patrimonial (Património Arqueológico e Construído) no âmbito do Estudo de Impacte Ambiental do troço da EN 235, variante Oliveira do Bairro/Sangalhos.

Portela 1, Freguesia de S. Bartolomeu de Messines, Silves

O sítio da Portela 1 situa-se no sub-lanço S. Bartolomeu de Messines/VLA, correspondente ao traçado da auto-estrada A2, Freguesia de S. Bartolmeu de Messines, Silves. Este local foi identificado no Estudo de Impacto Ambiental efectuado, em Agosto de 1999, pela ERA-Arqueologia.

São Vicente, Freguesia de Paderne, Silves

Localizado na freguesia de Paderne, distrito de Faro, o sítio de São Vicente foi identificado no Estudo de Impacto Ambiental efectuado pela ERA-Arqueologia, em Agosto de 1999.

Vale Romeira, Freguesia de S. Bartolomeu de Messines, Silves

Localizado na Freguesia de S. Bartolomeu de Messines, Silves, este sítio foi identificado no Estudo de Impacto Ambiental efectuado pela ERA-Arqueologia em Agosto de 1999.

Castelinho, sublanço S. Bartolomeu de Messines/VLA

Os trabalhos arqueológicos efectuados no sítio do Castelinho decorreram entre 14 e 25 de Agosto de 1999 e foram adjudicados à ERA-Arqueologia pela Tecninvest.

A13 - Sublanço Pegões - Marateca

Estes trabalhos visaram a verificação do eventual prolongamento dos vestígios arqueológicos identificados a cerca de 200m a Oeste do eixo da via, na sequência do Estudo de Impacte Ambiental que abarcou a obra.

Portela 3 - Fase 2

A intervenção arqueológica no povoado islâmico da Portela 3 foi realizada no contexto das medidas de minimização dos impactes negativos provocados pela construção da A2.

Portela 3 (Sítio 2)

O sítio 2 da Portela 3 (S.Bartolomeu de Messines) foi identificado durante o acompanhamento arqueológico da construção da A2 – Sublanço S.Bartolomeu/VLA com a descoberta de ossos humanos.

Alcariais dos Guerreiros de Cima - 2ª Intervenção

O objectivo consistiu em completar e finalizar a escavação da área afectada pelo traçado da A2 na zona do povoado iniciada por uma equipa anterior

A7 Guimarães – Fafe – Basto

A ERA-Arqueologia levou a cabo prospecções arqueológicas sistemáticas no traçado aprovado para a auto-estrada A7 Guimarães – Fafe – Basto, num total de cerca de 37 km e tendo por limites a área de afectação directa de implantação do eixo da nova via.

A14 Variante EN234 - Pinhal Novo

Estes trabalhos arqueológicos enquadraram-se nas acções de minimização de impactes sobre o património arqueológico do empreendimento da A14.

A14 Variante EN234 - Várzea 3

As escavações arqueológicas no sítio da Várzea 3 decorreram da identificação de vestígios durante os trabalhos de acompanhamento arqueológico da obra de ligação à EN 234-1 da A 14.

Barros 3 - Portunhos, Cantanhede

Os objectivos destes trabalhos passavam por determinar o grau de preservação e a caracterização e a avaliação do valor científico e patrimonial dos vestígios arqueológicos deste sítio, bem como a definição dos limites espaciais da ocupação Paleolítica neste local.

SCUT da Beira Litoral e Alta, Sublanço Viseu – Mangualde

Autorizada pelo Instituto Português de Arqueologia, a ERA-Arqueologia realizou trabalhos de prospecção sistemática na área a afectar pela construção do Troço II da EN2, no âmbito da construção do Sublanço Viseu – Mangualde.

IC1 - Costa da Prata, Lanço Miramar/Madalena

Estes trabalhos consistiram na realização de um trabalho sistemático de prospecção arqueológica ao longo do corredor definido para a implantação da via previamente à fase de construção, e no planeamento atempado de intervenções que viessem a tornar-se necessárias.

Prospecção IC5, Sublanço Nozelos – Miranda do Douro

A ERA-Arqueologia foi contratada para realizar o Estudo Prévio (vertente patrimonial) no âmbito do Estudo de Impacte Ambiental do IC5, sublanço Nozelos (IP2) – Miranda do Douro (Duas Igrejas).

A7/IC5 - Sub-lanço Basto/Ribeira de Pena

Nas prospecções realizadas não se identificaram sítios com interesse patrimonial. No entanto, a pesquisa bibliográfica efectuada e a leitura da topografia local sugeriram a existência de sítios com valor arqueológico e patrimonial nas imediações do traçado projectado.

A5 - Alargamento - Ribeira da Caneira, Alcabideche

Estes trabalhos surgiram no âmbito das medidas de minimização de impacte presentes no Estudo de Impacte Ambiental do projecto de alargamento da A5, Lanço Estádio Nacional/Cascais – Nó de Carcavelos/Nó de Alcabideche.

Parque de Estacionamento Subterrâneo de Belém

Os trabalhos incidiram sobre o acompanhamento das intervenções realizadas a nível do subsolo, e movimentações de terras decorrentes das mesmas, a fim de prevenir e minimizar a possível afectação de estruturas e outros vestígios de interesse arqueológico.

Avenida Marginal de Ponta Delgada (EIA)

Efectuaram-se trabalhos de inventariação do património arqueológico e arquitectónico no âmbito do Estudo de Impacte Ambiental da área a afectar pelo alargamento da Avenida Marginal de Ponta Delgada.

A13 – Sublanços Salvaterra de Magos/A10/Santo Estêvão

A intervenção arqueológica na Vala Real surgiu no âmbito da Minimização de Impacte sobre o Património a afectar na área do projecto da construção da A13 – Sublanços Salvaterra de Magos/A10/Santo Estêvão.

A13 - Sublanço Almeirim/Salvaterra de Magos - Pinheirocas

A ERA-Arqueologia foi chamada a intervir em dois sítios arqueológicos descobertos na sequência dos trabalhos de acompanhamento do programa de medidas de minimização preconizadas pelo Estudo de Impacte Ambiental para a A13 Auto-estrada Almeirim/Marateca.

A13 – Sublanço Almeirim/Salvaterra de Magos – Quinta da Boavista

Estes trabalhos realizados na A13, sublanço Almeirim/Salvaterra de Magos, passaram pela avaliação e diagnóstico do impacto do traçado sobre o sítio de Quinta da Boavista, no sentido de determinar a necessidade da aplicação de medidas minimizadoras de maior amplitude.

A13 – Sublanço Almeirim/Salvaterra de Magos – Herdade dos Caniçais

Estes trabalhos passaram pela avaliação e diagnóstico do impacto do traçado da autoestrada sobre o sítio Herdade dos Caniçais, no sentido de determinar a necessidade da aplicação de medidas minimizadoras de maior amplitude.

A13 - Sublanço Almeirim/Salvaterra de Magos - Monte da Quinta e Foro de D. João

Os objetivos desta intervenção passaram pela avaliação e diagnóstico do impacto do traçado da auto-estrada sobre os sítios de Monte da Quinta 1 e Foro de D. João.

IC 25 Lanço Paços de Ferreira/Nó da EN 106 - EIA

Este estudo teve como objectivos genéricos, em primeiro lugar, identificar o património arqueológico, arquitectónico e etnográfico afectado e, em segundo lugar, propor soluções adequadas para a resolução dos problemas patrimoniais identificados.

Parque de Estacionamento Subterrâneo, Pontinha, Faro

Os trabalhos efectuados na zona da Pontinha, em Faro, enquadraram-se numa perspectiva preventiva de minimização de impacte, tendo como objectivo a avaliação do potencial arqueológico da área de subsolo a afectar pela construção de um parque de estacionamento subterrâneo.

Monte da Quinta 2, freguesia da Barrosa, Benavente

Os trabalhos arqueológicos no sítio do Monte da Quinta 2 enquadraram-se na aplicação de medidas de minimização de impactes do empreendimento da A13 sobre o património arqueológico.

A13 - Sublanço Almeirim/Salvaterra de Magos - Pinheirocas 2

Esta intervenção consistiu na avaliação e diagnóstico do impacto do traçado sobre o sítio Pinheirocas 2, no sentido de determinar a necessidade da aplicação de medidas minimizadoras de maior amplitude.

A1 - Sublanço Aveiras de Cima/Santarém - Casal da Fonte da Serra

Estes trabalhos tiveram como objectivos a caracterização e a avaliação do valor cientifico e patrimonial dos vestígios arqueológicos deste sítio, bem como a definição dos limites físicos da eventual ocupação pré-histórica do local.

A10 - Sublanço Carregado/Benavente

Estes trabalhos surgiram no âmbito do Relatório de Conformidade Ambiental do Projecto de Execução da autoestrada A10, Sublanço Carregado/Benavente.

Reformulação do Nó do Regado com a V.C.I., Porto

Os trabalhos de acompanhamento arqueológico visaram a salvaguarda de eventuais estruturas ou elementos de interesse arqueológico e/ou patrimonial, bem como o seu registo de forma a permitir a cartografia de elementos preexistentes, nomeadamente estratigrafias, profundidade de aterros e estruturas.

Estação de Metro de Alvalade, Lisboa

Este trabalho consistiu na realização de um parecer técnico sobre o potencial arqueológico da área a afectar pelo alargamento da Estação de Metro de Alvalade.

Ponte de Real, Castelo de Paiva

Estas acções de acompanhamento arqueológico foram realizadas no âmbito da abertura de valas para sapatas para colocação de pilares de sustentação do alargamento do tabuleiro da Ponte de Real.

Ponte da Ribeira de Jardas, Cacém

Os trabalhos arqueológicos na ponte sobre a Ribeira de Jardas, Cacém, enquadraram-se no âmbito da sua salvaguarda patrimonial e arqueológica durante a intervenção do programa Polis no Cacém.

IC13 – Alter do Chão/Portalegre, Chocanal

A intervenção arqueológica realizada no sítio do Chocanal enquadrou-se numa perspectiva de avaliação prévia do potencial arqueológico da zona a afectar pelas obras de construção do IC13 – Alter do Chão/Portalegre.

IC13 – Alter do Chão/Portalegre, Flor da Rosa

Realizada entre 10 e 13 de Abril de 2007, a intervenção arqueológica no sítio da Flor da Rosa enquadrou-se numa perspectiva de avaliação prévia do potencial arqueológico da zona a afectar pelas obras de construção do IC13 – Alter do Chão/Portalegre.

IC13 – Alter do Chão/Portalegre, Herdade do Matinho

Esta intervenção surgiu na sequência do acompanhamento arqueológico da obra, no decurso do qual se identificara uma concentração de pedra associada a fragmentos de telha incaracterística.

IC13 – Alter do Chão/Portalegre, Ribeira dos Canais

Estes trabalhos surgiram na sequência das medidas de minimização propostas no Relatório do Estudo de Impacte Ambiental, tendo os trabalhos de prospecção identificado quatro potenciais sítios arqueológicos em plena área de afectação, entre outros em áreas mais limítrofes.

Rua de Gondarém, Porto

Tendo em vista a construção de um parque de estacionamento subterrâneo na Rua de Gondarém, a ERA-Arqueologia efectuou treze sondagens com o fim de avaliar o potencial arqueológico da área a afectar pela construção deste empreendimento.

IC33 – Grândola/Évora (EIA)

A ERA-Arqueologia realizou trabalhos arqueológicos no âmbito do Estudo de Impacte Ambiental do traçado do IC33 – Grândola/Évora. A área de estudo corresponde a uma faixa de 400 metros ao longo das várias alternativas do traçado e nela foram inventariadas 28 ocorrências patrimoniais.

IC17 – CRIL, lanço Buraca / Pontinha

Esta intervenção respeitou às especificações de salvaguarda do património cultural, directa ou indirectamente afectado no decurso das actividades de construção da CRIL, sublanço Buraca/Pontinha.

EPIA - Beneficiação da rede viária secundária - Auto-Estradas do Centro

Este trabalho foi realizado pela ERA-Arqueologia para a Horizonte de Projecto e restringiu-se à pesquisa bibliográfica, pressupondo trabalhos de validação da mesma através da execução de prospecções de campo.

Estação do Oeste da Linha Ferroviária de Alta Velocidade (Lisboa/Porto)

Os objectivos principais foram a identificação e inventariação de elementos patrimoniais existentes na área de afectação pela construção dos acessos, a sua avaliação patrimonial e a avaliação do seu impacte.

IC9 – Lanços EN1 (IC2)/Fátima (A1) e Fátima (A1)/Ourém (Alburitel)

O objectivo do acompanhamento arqueológico realizado no âmbito da construção do IC9 – Subconcessão Litoral Oeste foi a salvaguarda do património arqueológico, etnográfico e patrimonial durante os trabalhos de escavação.

A8, Lanço CRIL/LOURES, Bairro das Queimadas

procedeu-se à escavação de duas sondagens arqueológicas manuais que procuraram caracterizar o sítio identificado e diagnosticar o potencial arqueológico da área contígua.

Auto-Estrada do Litoral Oeste, tramo de Batalha, sítio de São Jorge

Esta intervenção consistiu na avaliação e diagnóstico do impacte do traçado da auto-estrada sobre o sítio de São Jorge.

Subconcessão do Baixo Alentejo, Lanço C, Monte do Carrascal 2

O conhecimento sobre a área de implantação do projecto determinou que a mesma fosse considerada de extrema sensibilidade arqueológica/patrimonial, levando à necessária tomada de acções tendo em vista a eventual necessidade de cumprir medidas de carácter preventivo.

Sítio de Portela de Seradelo 1, freguesia de Meirinhos, Mogadouro

Os trabalhos no sítio de Portela de Seradelo 1 enquadraram-se numa perspectiva de minimização de potenciais impactes arqueológicos de uma área a afectar pela construção do “Lote 8 Nozelos (IP 2)/Mogadouro”.

IC36 – Variante Leiria, sítio de Quinta de S. Venâncio

Numa perspectiva de minimização de impactes sobre o património cultural decorrentes da execução da IC36 Variante Leiria, preconizou-se o levantamento gráfico e fotográfico e a memória descritiva de elementos patrimoniais observados no decurso do acompanhamento arqueológico da obra.

Alargamento da A8 – Lanço CRIL – Loures, sítio da Flamenga

No âmbito do acompanhamento arqueológico desta empreitada realizou-se uma sondagem de caracterização no Km3 +575, num local designado por sítio da Flamenga.

Anta dos Enxacafres, concelho de Grândola

A escavação integral da Anta dos Enxacafres permitiu a identificação de uma estrutura funerária em cujo tumulus se pôde encontrar, para além do monumento principal, composto por câmara funerária e corredor, uma pequena estrutura escavada na rocha interpretada como uma possível sepultura.

Viaduto do Rio Sado, Lanço B, subconcessão do Baixo Alentejo

Os trabalhos enquadraram-se no âmbito da minimização de impactes sobre o património arqueológico resultantes da execução do Lanço B da auto-estrada que integra a subconcessão do Baixo Alentejo.

Palácio do Porto Covo da Bandeira, Lisboa

A ERA realizou trabalhos de acompanhamento arqueológico no âmbito da construção de um parque de estacionamento subterrâneo.

Lanço C, Figueira de Cavaleiros/Beja, Subconcessão do Baixo Alentejo

Levaram-se a cabo trabalhos de prospecção geofísica com vista a mitigar impactes negativos sobre elementos arqueológicos existentes no subsolo e nas imediações da área de implementação do empreendimento.

Anta dos Enxacafres (escavação arqueológica integral)

A escavação arqueológica integral deste sítio permitiu a identificação de uma estrutura funerária em cujo tumulus, se pôde encontrar, para além do monumento principal, uma pequena estrutura escavada na rocha interpretada como uma possível sepultura.

Lanço B, Nó de Grândola Sul (IP1)/Figueira de Cavaleiros, sítio de Altavasca 1

Foram realizados trabalhos de prospeção geofísica no sítio Altavasca 1 que confirmaram a existência de uma ocupação de época romana já muito afetada. Posteriormente, procedeu-se à escavação manual e mecânica do local, tendo-se identificado contextos arqueológicos preservados.

Lanço B – Área do Viaduto sobre o Sado, sítio de Santa Margarida do Sado 3

Após a identificação deste sítio arqueológico num terraço fluvial em Santa Margarida do Sado (Ferreira do Alentejo), durante a fase de acompanhamento de obra, programou-se a realização de sondagens de diagnóstico arqueológico.

Lote 2 do IC3 – Avelar Norte/Condeixa, sítio de Ribeiro das Aradas

Os trabalhos arqueológicos realizados no sítio de Ribeiro das Aradas enquadraram-se numa perspectiva de minimização de impactes patrimoniais das obras da subconcessão do Pinhal Interior.

Construção da Variante da Caranguejeira, 2º Troço, Caldelas (Leiria)

Após os trabalhos de verificação e prospeção ao longo do eixo e estremas do futuro troço, foram acompanhados todos os trabalhos de desmatação e movimentação de terras ao longo da futura via.

Sítio de Meu Jardim, EN 242 – variante da Nazaré, Concessão do Litoral Oeste

Os trabalhos enquadraram-se no processo de minimização de impactes sobre o património decorrentes da execução da EN 242 – variante da Nazaré, no âmbito da execução da Concessão do Litoral Oeste.

Alargamento da A8, Lanço Cril – Loures

Efectuaram-se acções de acompanhamento arqueológico no âmbito dos trabalhos de Alargamento da A8, Lanço Cril – Loures, que compreenderam desmatação, escavação de terreno e abertura de valas para colocação de tubagens e cabos eléctricos.

EN 374-2, Km 1+500, Reabilitação de Aterro (Loures)

Após os trabalhos de pesquisa e prospeção, não foi identificada qualquer ocupação antiga neste local, devendo, no entanto, assinalar-se que, devido a esta área ter sido já aterrada, não foi possível observar o solo original.

Subconcessão do Baixo Alentejo, Lanço A, Enxacafres 1

Com o intuito de averiguar neste local a efetiva existência de contextos preservados, foi sugerida uma campanha arqueológica de diagnóstico distribuída por 4 sondagens (num total de 30 m2) nas áreas a afetar.

Subconcessão do Baixo Alentejo, Lanço B, Santa Margarida do Sado 4

No decorrer da escavação foram identificados escassos materiais arqueológicos (núcleos e seixos talhados) dispersos de forma aleatória pelo espaço e uma interface possivelmente de origem natural.

Subconcessão do Baixo Alentejo, Lanço C, Horta dos Lagos 1

Os trabalhos arqueológicos realizados na Horta dos Lagos 1 permitiram definir o aparelho construtivo da estrutura hidráulica identificada durante o acompanhamento arqueológico, assim como a estratigrafia associada e a sua extensão conservada.

Subconcessão do Baixo Alentejo, Lanço C, Misericórdia 1

No decurso da intervenção, que resultou de sondagens de diagnóstico realizadas anteriormente, identificaram-se 46 fossas, todas de formação antrópica, enquadráveis cronologicamente na Idade do Bronze e em época tardo-romana.

Subconcessão do Baixo Alentejo, Lanço C, Misericórdia 2

Foram identificadas doze fossas, das quais onze de formação antrópica, sete enquadráveis cronologicamente na Idade do Bronze final e em quatro dos casos não foi possível aferir a sua caracterização cronológica.

Subconcessão do Baixo Alentejo, Lanço C, Misericórdia 3

A escavação incidiu nos depósitos de enchimento de uma vala, aberta no substrato geológico, sendo o depósito mais recente constituído por blocos pétreos e fragmentos de cerâmica de construção, destacando-se a presença de tégulas.

Subconcessão do Baixo Alentejo, Lanço C, Misericórdia 4

Esta intervenção revelou a existência de 6 estruturas negativas associadas cronologicamente a um período compreendido genericamente entre a pré-história e a pré-história recente.

Subconcessão do Baixo Alentejo, Lanço C, Monte do Arcediago 1

A realização destes trabalhos permitiu a identificação de um espaço funerário com duas fases de utilização, cronologicamente enquadradas na Idade do Ferro (séc. VI a IV a. C) e no período tardo-romano.

Subconcessão do Baixo Alentejo, Lanço C, Monte do Arcediago 2

Os trabalhos realizados permitiram identificar uma estrutura hidráulica, constituída por dezanove pegões completos, sendo que o n.º 20 apenas foi visível em cerca de 20 cm do seu plano, já que excedia os limites da área de afetação da presente obra.

Subconcessão do Baixo Alentejo, Lanço C, Monte do Arcediago

No local e durante a escavação foram identificadas 4 sepulturas de época romana, escavadas em fossa, delimitadas ou cobertas por tegulae.

Subconcessão do Baixo Alentejo, Lanço C, PK 24+100

Durante a escavação foram identificadas duas estruturas negativas de funcionalidade e cronologia indeterminadas.

Subconcessão do Baixo Alentejo, Lanço C, Quinta do Ouro 1

Constatou-se a ausência de contextos arqueológicos preservados nas áreas intervencionadas, considerando-se que a área poderia ser desbloqueada para a progressão da obra com acompanhamento arqueológico.

Subconcessão do Baixo Alentejo, Lanço C, Vale da Arca 13

A intervenção visava a caracterização do sítio devido à presença de materiais arqueológicos e alinhamentos pétreos, interpretados como estruturas, identificados durante as ações de acompanhamento arqueológico da obra.

Subconcessão do Baixo Alentejo, Lanço C, Vale de Barrancas 1

Os trabalhos permitiram concluir a ausência de contextos arqueológicos preservados nas áreas intervencionadas, uma vez que as evidências arqueológicas observadas se encontravam apenas à superfície do terreno.

Subconcessão do Baixo Alentejo, Lanço C, Vale de Barrancas 2

A via pode ser interpretada como um caminho rural que faria a ligação a uma quinta/herdade, ou ser mesmo a antiga ligação de Beringel a Mombeja utilizada em época Moderna/Contemporânea.

Subconcessão do Baixo Alentejo, Lanço C, Vale de Barrancas 3

Foi possível determinar que quatro estruturas negativas resultavam de ação antrópica, não sendo exequível com os dados disponíveis atribuir uma cronologia para a sua construção.

Subconcessão do Baixo Alentejo, Lanço C, Vale do Ouro

Verificou-se um total de 112 estruturas negativas com diferentes tipologias, cronologias e funcionalidades, permitindo apontar para o sítio do Vale do Ouro uma diacronia de ocupação longa, entre a Pré-História recente e a Época Moderna.

Subconcessão do Baixo Alentejo, Lanço E, Lajinha 3

Na sequência da deteção de vestígios arqueológicos durante a fase de acompanhamento foram propostas e realizadas 3 sondagens de diagnóstico (num total de 18 m2) utilizando meios mecânicos.

Subconcessão do Baixo Alentejo, Lanço E, Vale Melhorado 6

Durante a escavação foram recolhidos fragmentos de cerâmica incaracterística e cerâmica de construção muito rolados, indicando encontrarem-se em contexto de deposição secundária.

Subconcessão do Baixo Alentejo, Lanço F, Areal

Destes trabalhos foi possível concluir que o sítio com ocupação do Neolítico Antigo se encontrava fora da área de afetação, no local anteriormente intervencionado.

Subconcessão do Baixo Alentejo, Lanço F, Brejo Redondo 2

Estes trabalhos tiveram como objetivo confirmar se a área do sítio arqueológico era superior à conhecida e confirmar a existência de contextos arqueológicos preservados na área de afetação do projeto.

Estabilização de Aterro e Plataforma EN 361, KM 33+450, Rio Maior

Da análise da situação de referência, do projeto de obra e do terreno, verificou-se que não existiam condicionantes para o processo de reabilitação da estrada, uma vez que os depósitos a serem afetados eram de formação recente.

Subconcessão do Pinhal Interior, Lote 1 – Tomar/Avelar Sul, sítio do Pessegueiro

Durante a execução da sondagem, identificou-se uma estrutura antrópica e um possível nível de ocupação destruído pelo plantio de eucaliptos.

Subconcessão do Pinhal Interior, Lote 1 – Tomar/Avelar Sul, sítio de São Marcos

Após a conclusão das sondagens, não foram identificados níveis arqueológicos preservados nem uma grande quantidade de material arqueológico.

Subconcessão do Pinhal Interior, Lote 1 – Tomar/Avelar Sul, sítio de São Marcos 2

A realização da sondagem mecânica permitiu averiguar a inexistência de depósitos sedimentares com artefactos arqueológicos, concluindo-se que os materiais recolhidos anteriormente eram residuais e que o local da sua proveniência se encontrava para lá dos limites de expropriação.

Subconcessão do Pinhal Interior, Lote 1 – Tomar/Avelar Sul, sítio de São Marcos 3

A realização da sondagem mecânica e das crivagens a seco permitiu recolher alguma informação sobre a formação sedimentar deste sítio, perturbação e ocupação humana.

Subconcessão do Pinhal Interior, Lote 1 – Tomar/Avelar Sul, sítio de São Marcos 4

A realização da sondagem permitiu delimitar uma mancha silto-arenosa com materiais arqueológicos em posição secundária.

Subconcessão do Pinhal Interior, Lote 2, Avelar/Condeixa, Senhora da Alegria 2

Neste local, haviam sido identificados, durante o acompanhamento arqueológico da empreitada, vestígios correspondentes a uma mancha de material de época provavelmente Neolítica.

Subconcessão do Pinhal Interior, Lote 2, Avelar/Condeixa, Abrigo do Inferno

No âmbito do acompanhamento arqueológico das obras, haviam sido identificados neste local vestígios de carácter arqueológico, tratando-se de dois pequenos abrigos formados pela erosão lateral diferenciada do substrato arenítico.

Subconcessão do Pinhal Interior, Lote 2, Avelar/Condeixa, Chão de Lamas

Verificou-se a inexistência de contextos arqueológicos preservados, uma vez que a mancha de materiais identificada no decorrer do acompanhamento arqueológico correspondia à formação de uma acumulação sedimentar correspondente ao nível freático de uma linha de água.

Subconcessão do Pinhal Interior, Lote 2, Avelar/Condeixa, Lamas

Foram escavadas e registadas duas estruturas negativas escavadas no substrato estéril de funcionalidade desconhecida. A primeira, pela sua forma oval alongada, poderia sugerir uma estrutura funerária, porém, não foram identificados vestígios a corroborarem esta hipótese.

ER338 – Beneficiação entre Piornos (KM 34+470) e Manteigas (KM 45+580)

Relativamente às ocorrências registadas no decurso dos trabalhos de prospeção, salientou-se essencialmente a identificação de elementos patrimoniais edificados de cariz vernacular.

Lote 8 da Subconcessão da Auto-estrada Transmontana Vila Real/Bragança

Nesta intervenção visaram-se os seguintes procedimentos: identificação de novos elementos patrimoniais; relocalização de ocorrências patrimoniais que deveriam vir a ser diretamente afetadas; sugestão de medidas minimizadoras sobre o património identificado.

IC19 Nó do Cacém - Via Coletora Ramo B

Os trabalhos consistiram no acompanhamento da terraplanagem da zona mais a Norte e mais a Este do talude junto ao nó do Cacém, assim como do acompanhamento do corte do atual talude e abertura de uma vala no seu seguimento, para construção de um muro de sustentação de terras e suas fundações junto à berma Sul do IC19.