Pré-história e Proto-história

Complexo Arqueológico dos Perdigões

Classificado como Monumento Nacional, os Perdigões são um grande complexo arqueológico abrangendo uma área de cerca de 20 ha

Mercador - Bloco 5

O povoado do Mercador apresenta um potencial científico imensurável para o estudo do povoamento do 3º milénio a.C. na bacia do Guadiana, nomeadamente da sua margem esquerda.

Anta do Monte Ruivo

Conjunto de trabalhos realizados na Anta do Monte Ruivo, quer de investigação, quer de conservação e preservação na sequência dos trabalhos que a Era-Arqueologia realizou para o IPPAR no âmbito do Projecto de Valorização e Recuperação do Património Megalítico de Elvas.

Palácio dos Lumiares

A intervenção no Palácio dos Lumiares decorreu de um projeto de reabilitação do edifício que permitiu vislumbrar a presença de um contexto cronologicamente situado entre o Mesolítico e o Neolítico Antigo.

Bloco 5 do regolfo do Alqueva: Pré-História recente da margem esquerda do Guadiana

No âmbito do Plano de Minimização de Impactes sobre o Património Arqueológico na área do regolfo de Alqueva, foi criado um bloco (Bloco 5) destinado à investigação da Pré-História recente da margem esquerda do Guadiana

Altas Moras 1 - Bloco 5

O sítio das Altas Moras 1 confirmou-se a ocupação daquela plataforma por comunidades que usavam recipientes cerâmicos de fabrico manual. Foram detectadas algumas estruturas arquitectónicas, como muros e lajeados, mas, ainda não é perceptível a organização espacial do habitat, nem é possível estabelecer uma cronologia para esta ocupação, ou relacionar os dados de superfície com a informação recolhida durante a escavação dos contextos.

Altas Moras 2 - Bloco 9

Embora a expectativa inicial fosse realizar uma escavação arqueológica num povoado, os resultados desta intervenção nas Altas Moras vieram confirmar a existência, neste local, de uma necrópole do Bronze Pleno, formada por duas sepulturas, e indicar a presença de um povoado, de cronologia indefinida, nas suas imediações.

Cerros Verdes 4 - Bloco 9

No âmbito do Plano de Minimização de Impactes sobre o Património Arqueológico na área do regolfo de Alqueva, foi criado um bloco (Bloco 9) destinado à investigação da Ocupação Proto-Histórica na Margem Esquerda do Guadiana

Cerros Verdes 3 - Bloco 5

Importante sítio da Pré-história recente da margem esquerda do Guadiana, intervencionado pela ERA no âmbito do Bloco 5 do Alqueva.

Monte das Candeias 3 - Bloco 9

Integrado no Bloco 9 do Alqueva, destinado à investigação da Ocupação Proto-Histórica na Margem Esquerda do Guadiana, este sítio preserva sobretudo vestígios da Idade do Ferro.

Porto Meirinho 1 - Bloco 5

A ocupação deste sítio poderá corresponder a um núcleo de habitat, não sendo de excluir a possibilidade de corresponder igualmente a uma área específica de talhe, situação a esclarecer com a eventual continuidade de trabalhos e com o estudo aprofundado dos materiais recolhidos.

Monte Novo - Bloco 9

A necrópole do Monte Novo integra o universo funerário em cistas da Idade do Bronze localizadas na margem esquerda do Guadiana.

Monte do Judeu 6 - Bloco 9

A escavação arqueológica realizada no Monte do Judeu permitiu identificar um pequeno sítio formado por, pelo menos, três edifícios. No entanto, a leitura da cultura material parte de uma amostragem truncada por a maioria das cerâmicas serem provenientes das camadas revolvidas de superfície.

Monte da Ribeira 2 - Bloco 9

A escavação arqueológica permitiu conhecer três sepulturas que podem ser integradas no Bronze Pleno

Moinho de Valadares 1 - Bloco 5

Sítio de grande importância para conhecimento da rede de povoamento dos 4º e 3º milénios AC da margem esquerda do Guadiana do actual território português.

Monte do Tosco 1 - Bloco 5

O Monte do Tosco 1 apresenta um grande potencial científico para o estudo do povoamento do 3º milénio/ inícios do 2º milénio A.C na margem esquerda do Guadiana.

Estrela 1 - Bloco 9

O sítio da Estrela 1 foi pequeno estabelecimento rural da Idade do Ferro. Integrado numa rede de povoamento, da qual fazem parte os sítios do Monte da Pata, Cerros Verdes 4, Monte das Candeias 3 e Castelo das Juntas.

Alcalar 7

Conservação e Restauro no monumento 7 de Alcalar (Portimão), enquadrado no projecto "Centro Interpretativo das Ruínas Megalíticas de Alcalar" num concurso lançado pelo IPPAR.

Xancra II

Minimização de impactes sobre o património cultural decorrentes das obras de implementação do Aproveitamento Hidroagrícola de Alvito - Pisão, promovidas pela EDIA, S.A.

Bloco 9 do regolfo do Alqueva: Ocupação Proto-Histórica na Margem Esquerda do Guadiana

O conjunto de sítios intervencionados no âmbito do Bloco 9 revela uma grande diversidade cultural, que deve merecer uma investigação pormenorizada face ao seu potencial cientifico e ao facto da larga maioria destas realidades ser afectadas pelo regolfo da Barragem do Alqueva.

Santa Vitória

Na plataforma superior de uma elevação, onde se situa o marco geodésico de Campo Maior, foi possível identificar através de escavações um recinto rodeado por um sistema de fossas escavadas na rocha de base, com ocupação ao longo da 1ª metade do III milénio a.C.

Antas das Pedras Grandes

Restauro, colagem e consolidação em mais um dos inúmeros trabalhos com a marca ERA Arqueologia.

Monumento 7 de Alcalar

Conservação e Restauro no monumento 7 de Alcalar (Portimão), enquadrado no projecto - Centro Interpretativo das Ruínas Megalíticas de Alcalar - num concurso lançado pelo IPPAR.

Praia da Samouqueira

O acompanhamento arqueológico da construção de um parque de estacionamento e de uma pedovia que liga a praia da Samouqueira e Porto Côvo (Polis Litoral do Sudoeste) permitiu a identificação e estudo de estruturas relacionadas com os sítios arqueológicos do Mesolítico e Neolítico, Samouqueira I e II.

Praia do Malhão

O acompanhamento arqueológico realiza-se no âmbito dos trabalhos de valorização e qualificação da Praia do Malhão, em Odemira, e insere-se no programa Polis Litoral do Sudoeste.

Leroy Merlin (Loulé)

Os trabalhos arqueológicos adjudicados à Era-Arqueologia S.A. pela BRIMOGAL, S.A., decorreram entre os dias 26 de Dezembro de 2016 a 19 de Janeiro de 2017, numa acção de emergência decorrente da construção de um empreendimento comercial pertencente à cadeia de bricolage Leroy Merlin.

Linha Eléctrica AHE/Sistelo (Arcos de Valdevez)

Estes trabalhos consistiram na prospeção arqueológica sistemática do traçado da linha eléctrica nas zonas compreendidas entre a freguesia de Sistelo e a zona de Sinos, situada na freguesia de Loureda, concelho de Arcos de Valdevez.

Terreiro do Parguinho, nº 2 a 4 (Tavira)

Os trabalhos visaram ainda concluir o acompanhamento arqueológico na zona do quintal na área afecta à construção das fundações que implicou a remoção de terras dos perfis existentes junto ás paredes (deixadas no local por questões de segurança), até à cota de afectação da obra. Neste âmbito foi ainda desmontado o muro [318] (apenas um bloco de pedra de uma das fiadas conservadas) e o muro existente na entrada lateral Sudeste, com frente para a Calçada de Dona Ana.

Necrópole Romana das Portas de Santo Antão (84-90), Lisboa

Durante o acompanhamento da obra de reabilitação deste edifício, verificou-se a presença de aterros de cronologia moderna/contemporânea e, em níveis inferiores, um espaço de necrópole de período Romano, enquadrável entre os séculos III e IV d.C.

R. dos Quartéis

Sondagem arqueológica em curso na Ajuda

Anta da Venda, Elvas

A intervenção da ERA Arqueologia na Anta da Venda incluiu trabalhos de carácter arqueológico e de conservação e restauro, no âmbito do Projecto de Valorização e Recuperação do Património Megalítico de Elvas.

Barragem dos Minutos (Montemor-o-Novo)

Os trabalhos arqueológicos realizados no âmbito de um estudo de impacto patrimonial enquadram-se numa perspectiva de minimização de impactos na zona a afectar pelo empreendimento da Barragem dos Minutos.

Levantamento Arqueológico das Bacias Hidrográficas dos Rios Sado e Mira

O levantamento do Património Arqueológico da Bacia Hidrogáfica do Rio Sado e do Litoral Sado baseou-se em recolhas bibliográficas.

A2 – Sublanço Grândola/Aljustrel

Estes trabalhos realizaram-se numa perspectiva de minimização de impactes sobre o património arqueológico eventualmente a afectar pela construção da A2 – Sublanço Grândola/Aljustrel.

Antas de Monte Ruivo e Venda, Elvas

A ERA realizou para o IPPAR um conjunto de trabalhos arqueológicos na Anta do Monte Ruivo, inserido no Projecto de Valorização e Recuperação do Património Megalítico de Elvas.

Circuito Arqueológico da Cola (Ourique)

Promovidos pelo IPPAR, a ERA Arqueologia realizou em 1999 um conjunto de trabalhos de conservação, restauro e limpeza em diversos monumentos enquadrados no Circuito Arqueológico da Cola (Ourique)..

A2 – Lanço Gomes Aires/VLA, Almodôvar

A ERA levou a cabo, em Agosto e Setembro de 1999, um levantamento do património arqueológico e construído na zona a afectar pela construção da autoestrada A2 - Lanço Gomes Aires/VLA

Povoados de Porto das Lajes e Fernão Vaz, C.A. Cola (Ourique)

A ERA efectuou um conjunto de acções de salvaguarda, conservação e restauro com a finalidade de tornar visíveis e visitáveis os Povoados de Porto das Lajes e Fernão Vaz, pertencentes ao Circuito Arqueológico da Cola – Ourique.

Antas de Forte de Botas e Valmor e Cabeço do Torrão, Elvas

Em Maio de 1999, a ERA-Arqueologia realizou de trabalhos de limpeza num conjunto de três monumentos megalíticos pertencentes ao Circuito Arqueológico das Antas de Elvas.

Alcaria - Circuito Arqueológico da Cola

A pedido do IPPAR, a ERA levou a cabo, em 1999, trabalhos arqueológicos e de conservação e restauro nos núcleos de Alcaria.

Atalaia - Circuito Arqueológico da Cola

O IPPAR recorreu à ERA-Arqueologia para a execução, em 1999, de um parecer técnico definindo trabalhos arqueológicos e de conservação e restauro na grande necrópole da Atalaia.

Necrópole de Fernão Vaz - C.A. da Cola, Ourique

Os serviços de conservação, restauro e limpeza nesta necrópole da Idade do Ferro visaram a apresentação do sítio ao público que visita o Circuito Arqueológico da Cola.

Bloco 5, Agualta 7, Mourão

A intervenção pela ERA no sítio com arte rupestre da Agualta 7 realizou-se no âmbito do Plano de Minimização de Impactes sobre o Património Arqueológico na área afectada pelo regolfo da Barragem de Alqueva

Bloco 5, Mercador, Mourão

A primeira campanha de trabalhos no sítio arqueológico do Mercador visou caracterizar o seu espectro cronológico-cultural, confirmar a existência de ocupação e avaliar o seu estado de conservação, bem como o impacte que o regolfo do Alqueva teria sobre o sítio.

Avenida Marginal do Parque da Cidade, Porto - 2ª Campanha

Estes trabalhos referem-se a uma segunda fase de escavações realizadas na Av. Marginal do Parque da Cidade do Porto, na sequência da detecção de materiais líticos.

Portela 1, Freguesia de S. Bartolomeu de Messines, Silves

O sítio da Portela 1 situa-se no sub-lanço S. Bartolomeu de Messines/VLA, correspondente ao traçado da auto-estrada A2, Freguesia de S. Bartolmeu de Messines, Silves. Este local foi identificado no Estudo de Impacto Ambiental efectuado, em Agosto de 1999, pela ERA-Arqueologia.

Bloco 5, Cid Almeida 3, Moura

O sítio arqueológico designado por Cid Almeida 3 foi cartografado no Quadro Geral de Referência do património arqueológico do regolfo da barragem de Alqueva

Bloco 9, Monte do Judeu 6, Moura

Situado na freguesia da Póvoa de S. Miguel, Moura, este sítio arqueológico foi identificado no decorrer de prospecções arqueológicas no âmbito do Estudo de Impacte Ambiental do Empreendimento do Alqueva.

Prospecções arqueológicas no território Espanhol a afectar pela barragem do Alqueva

Estes trabalhos de prospecção arqueológica foram realizados em território espanhol, na zona afectada pela Barragem do Alqueva, após estudo requerido pela EDIA à ERA-Arqueologia.

Avenida Marginal do Parque da Cidade, Porto - 1ª Campanha

A ERA-Arqueologia realizou, entre Agosto de 2000 e Novembro de 2001, trabalhos de acompanhamento arqueológico no âmbito do projecto de requalificação urbana da Avenida Marginal do Parque da Cidade.

Anta da Azinheira, Montemor-o-Novo - 1ª Fase

A intervenção na Anta da Azinheira enquadrou-se no âmbito das medidas de minimização do impacte sobre o património arqueológico resultante da construção da Barragem dos Minutos no rio Almansor (Montemor-o-Novo).

Anta da Azinheira, Montemor-o-Novo - 2ª Fase

Integrada no plano de minimização do impacte da Barragem dos Minutos sobre o património arqueológico desta zona, a segunda fase da intervenção da ERA-Arqueologia na Anta da Azinheira decorreu entre 26 de Março e 26 de Abril de 2001 e resultou na escavação integral do sítio.

Fonte da Senhora 1

Os trabalhos arqueológicos na Anta da Fonte da Senhora 1 integraram-se no plano de minimização do impacte da Barragem dos Minutos (Montemor-o-Novo) sobre o património arqueológico.

Anta das Pedras Grandes, Odivelas

Os trabalhos arqueológicos realizados pela ERA na Anta das Pedras Grandes tiveram como objectivos a avaliação do potencial patrimonial e científico dos vestígios arqueológicos conservados por forma a sustentar a tomada de decisões relativamente ao monumento.

Fonte da Senhora 5

Os trabalhos da ERA neste local visaram caracterizar os vestígios identificados nas prospecções no que respeita à sua topografia, cultura material, cronologias de ocupação e limites físicos.

A14 Variante EN234 - Pinhal Novo

Estes trabalhos arqueológicos enquadraram-se nas acções de minimização de impactes sobre o património arqueológico do empreendimento da A14.

A14 Variante EN234 - Várzea 3

As escavações arqueológicas no sítio da Várzea 3 decorreram da identificação de vestígios durante os trabalhos de acompanhamento arqueológico da obra de ligação à EN 234-1 da A 14.

Barros 3 - Portunhos, Cantanhede

Os objectivos destes trabalhos passavam por determinar o grau de preservação e a caracterização e a avaliação do valor científico e patrimonial dos vestígios arqueológicos deste sítio, bem como a definição dos limites espaciais da ocupação Paleolítica neste local.

Edifício dos Andrades, Rua de S. Pedro de Alcântara, Lisboa

Os trabalhos arqueológicos efectuados no Edifício dos Andrades enquadraram-se na avaliação do potencial arqueológico e numa perspectiva de minimização de impacte de uma intervenção a promover pela Sociedade de Construções Bernardino Gomes.

Povoado do Porto Torrão, troço Alqueva – Ferreira do Alentejo

A ERA-Arqueologia efectuou a escavação arqueológica das áreas a afectar pela implantação dos apoios da linha de alta tensão, correspondendo a 3 sondagens de diagnóstico na área total a afectar.

Herdade da Sabrosa, concelho de Lagos

Esta intervenção inseriu-se no âmbito do Estudo de Viabilidade a realizar na área da Herdade da Sabrosa, correspondendo à execução da 1ª e 2ª Fases de trabalhos propostos: pesquisa bibliográfica e prospecções de terreno.

Parques Eólicos das Beiras - Balocas e Serra da Cebola

Nesta intervenção foram consultadas bases de dados, bibliografia específica e inventários sobre este tema, sendo também realizados trabalhos de prospecção selectiva e sistemática no local.

Parques Eólicos das Beiras - Serra do Castelo e Souto

Este trabalho consistiu no levantamento do Património Arqueológico e Arquitectónico na área a afectar pelo Parque Eólico da Serra do Castelo e Souto.

Parques Eólicos das Beiras - Pedras Lavradas

Na área a afectar por este parque identificaram-se três grupos de arte rupestre de elevado interesse científico e valor patrimonial. Estas gravuras teriam que ser submetidas a um processo de preservação durante a fase de construção e exploração, sendo importante dar início à sua investigação.

Parques Eólicos das Beiras - Serra da Alvoaça

Esta intervenção teve como objectivos a inventariação do património existente na área a afectar pelo Parque Eólico da Serra da Alvoaça e a elaboração de medidas de minimização para o mesmo.

Menir do Prazo, Freixo de Numão

O objectivo deste trabalho foi a colagem e verticalização deste elemento patrimonial, de modo a poder ser apresentado, no âmbito das visitas ao sítio, com uma imponência mais próxima da original. Pretendeu-se assim evidenciar o seu valor plástico enquanto objecto escultórico e patrimonial.

Palácio dos Lumiares, Rua de S. Pedro de Alcântara, nº 25 a 37

A segunda fase dos trabalhos arqueológicos realizados no Palácio dos Lumiares enquadrou-se numa perspectiva de minimização de impacte da implantação de um posto de transformação da EDP, previsto no projecto de reabilitação do edifício para uma área em que foram identificados, na campanha anterior, vestígios de ocupação pré-histórica.

A13 – Sublanços Salvaterra de Magos/A10/Santo Estêvão

A intervenção arqueológica na Vala Real surgiu no âmbito da Minimização de Impacte sobre o Património a afectar na área do projecto da construção da A13 – Sublanços Salvaterra de Magos/A10/Santo Estêvão.

Igreja de Nossa Senhora da Assunção – Antiga Sé de Elvas

Estes trabalhos arqueológicos enquadraram-se numa perspectiva preventiva de minimização de impacte, tendo como objectivo a avaliação do potencial arqueológico da área de subsolo a afectar pela execução de uma vala para drenagem periférica à Igreja.

A13 - Sublanço Almeirim/Salvaterra de Magos - Pinheirocas

A ERA-Arqueologia foi chamada a intervir em dois sítios arqueológicos descobertos na sequência dos trabalhos de acompanhamento do programa de medidas de minimização preconizadas pelo Estudo de Impacte Ambiental para a A13 Auto-estrada Almeirim/Marateca.

A13 – Sublanço Almeirim/Salvaterra de Magos – Quinta da Boavista

Estes trabalhos realizados na A13, sublanço Almeirim/Salvaterra de Magos, passaram pela avaliação e diagnóstico do impacto do traçado sobre o sítio de Quinta da Boavista, no sentido de determinar a necessidade da aplicação de medidas minimizadoras de maior amplitude.

A13 – Sublanço Almeirim/Salvaterra de Magos – Herdade dos Caniçais

Estes trabalhos passaram pela avaliação e diagnóstico do impacto do traçado da autoestrada sobre o sítio Herdade dos Caniçais, no sentido de determinar a necessidade da aplicação de medidas minimizadoras de maior amplitude.

A13 - Sublanço Almeirim/Salvaterra de Magos - Monte da Quinta e Foro de D. João

Os objetivos desta intervenção passaram pela avaliação e diagnóstico do impacto do traçado da auto-estrada sobre os sítios de Monte da Quinta 1 e Foro de D. João.

Parque Eólico da Serra da Alvoaça - EIA - Levantamento Blibliográfico

Este trabalho surgiu no âmbito do Estudo de Impacte Ambiental para a área a afectar pelo Parque Eólico da Serra da Alvoaça, nomeadamente o corredor de ligação à REN.

Pedreira de Areia de Arapouco, Alcácer do Sal

Estes trabalhos enquadraram-se no Estudo de Impacte Ambiental da área a afectar pelo alargamento da Pedreira de Areia de Arapouco, avaliando-se o impacte da mesma no que respeita ao património construído e arqueológico.

IC 25 Lanço Paços de Ferreira/Nó da EN 106 - EIA

Este estudo teve como objectivos genéricos, em primeiro lugar, identificar o património arqueológico, arquitectónico e etnográfico afectado e, em segundo lugar, propor soluções adequadas para a resolução dos problemas patrimoniais identificados.

Outeiro do Castelinho, Alandroal

A intervenção arqueológica realizada no sítio do Outeiro do Castelinho enquadrou-se numa perspectiva preventiva de emergência face aos trabalhos de remoção de terras decorrente da abertura de uma vala e poço de rega no âmbito do emparcelamento rural do Alqueva.

Monte da Quinta 2, freguesia da Barrosa, Benavente

Os trabalhos arqueológicos no sítio do Monte da Quinta 2 enquadraram-se na aplicação de medidas de minimização de impactes do empreendimento da A13 sobre o património arqueológico.

Anta da Matança, Fornos de Algodres

Adjudicada pela Câmara Municipal de Fornos de Algodres, a ERA-Arqueologia levou a cabo trabalhos de conservação e restauro na Anta da Matança, realizando também a documentação fotográfica deste processo.

Castro de Santiago, Fornos de Algodres

Os trabalhos de conservação e restauro e escavação arqueológica no Castro de Santiago enquadraram-se em medidas implementadas no âmbito do plano de valorização de sítios do circuito arqueológico de Fornos de Algodres.

Parque Eólico da Serra dos Candeeiros (Rio Maior)

A ERA-Arqueologia realizou o acompanhamento arqueológico no âmbito do empreendimento do Parque Eólico da Serra dos Candeeiros.

Barragens dos Álamos, Alqueva

Esta intervenção consistiu no acompanhamento arqueológico da construção das Barragens dos Álamos I, II e III, desde o mês de Julho de 2004 a Agosto de 2005.

A13 - Sublanço Almeirim/Salvaterra de Magos - Pinheirocas 2

Esta intervenção consistiu na avaliação e diagnóstico do impacto do traçado sobre o sítio Pinheirocas 2, no sentido de determinar a necessidade da aplicação de medidas minimizadoras de maior amplitude.

A1 - Sublanço Aveiras de Cima/Santarém - Casal da Fonte da Serra

Estes trabalhos tiveram como objectivos a caracterização e a avaliação do valor cientifico e patrimonial dos vestígios arqueológicos deste sítio, bem como a definição dos limites físicos da eventual ocupação pré-histórica do local.

Castelo Velho de Freixo de Numão

O objectivo genérico da intervenção foi a recuperação da ruína do sítio, assentando na implementação de uma estratégia que garantisse a sua preservação para o futuro.

Igreja Matriz da Mexilhoeira Grande

Esta intervenção teve como objectivo detectar e caracterizar eventuais vestígios arqueológicos, e permitir uma correcta avaliação do impacte que as acções de reabilitação do adro da Igreja teriam sobre os mesmos, propondo medidas de minimização de impactes.

Aproveitamento Hidroeléctrico do Baixo Sabor

Estes trabalhos de prospecção decorreram da aplicação das medidas de minimização de impactes constantes na Declaração de Impacte Ambiental no âmbito do procedimento de Avaliação de Impacte do Aproveitamento Hidroeléctrico do Baixo Sabor.

Linha de Muito Alta Tensão Penamacor-Ferro

Este acompanhamento arqueológico enquadrou-se na perspectiva de minimização de impactes patrimoniais decorrentes da empreitada de desmatação e movimentação de terras para a implantação da Linha de Muito Alta Tensão Penamacor-Ferro a 220 kW.

Rede Ferroviária de Alta Velocidade, Troço Montemor-o-Novo/Évora

Estas acções incluíram uma fase prévia de pesquisa bibliográfica e documental, uma segunda fase de prospecções arqueológicas e, finalmente, a elaboração de um parecer técnico com o inventário e avaliação patrimonial, avaliação de impactes e proposta de medidas de minimização.

Moinho do Pereira, Arroja, Odivelas

Estes trabalhos arqueológicos enquadraram-se numa perspectiva de diagnóstico e minimização de impactes negativos sobre a área a afectar pela construção de uma estrutura de carácter comercial.

Parque Eólico da Serra do Alvão

Visou-se a inventariação dos elementos patrimoniais existentes na área de afectação, a avaliação da importância patrimonial de cada uma das evidências detectados, assim como do impacte sobre o património decorrente da implementação do projecto, seguidos pela elaboração de uma proposta de Medidas de Minimização de Impacte.

Estação de Metro de Alvalade, Lisboa

Este trabalho consistiu na realização de um parecer técnico sobre o potencial arqueológico da área a afectar pelo alargamento da Estação de Metro de Alvalade.

Parque de Campismo ZMar, concelho de Odemira

A ERA-Arqueologia realizou trabalhos de prospecção arqueológica e avaliação de impactes no âmbito do Descritor Património do Estudo de Impacte Ambiental para o Parque de Campismo ZMar.

Sobreira de Cima, Subestação de Alqueva da REN

No decorrer destes labores viria a ser detectada uma necrópole de sepulcros artificialmente escavados no substracto rochoso, de cronologia neolítica, cuja localização obrigou a um intenso trabalho, englobando prospecções geofísicas e escavações arqueológicas de mitigação e acompanhamento arqueológico.

Linha de Alta tensão de Alto de Mira, Agualva - Cacém

A ERA-Arqueologia concretizou o acompanhamento arqueológico de emergência da obra da EDP como medida de minimização de impactes sobre vestígios arqueológicos eventualmente postos a descoberto.

CIRVER - Vale de Moinho, Carregueira, Chamusca

No âmbito da minimização de impactes para a construção do CIRVER, desenvolveram-se acções de prospecção/recolhas de superfície, sondagens mecânicas de diagnóstico e estudo de materiais arqueológicos.

Subestação de Alqueva 400/60 kV, Vidigueira, Portel

Ao longo da empreitada de construção da Subestação de Alqueva 400/60 kV foi feito um acompanhamento arqueológico intensivo e sistemático em sete frentes de obra distintas.

IC33 – Grândola/Évora (EIA)

A ERA-Arqueologia realizou trabalhos arqueológicos no âmbito do Estudo de Impacte Ambiental do traçado do IC33 – Grândola/Évora. A área de estudo corresponde a uma faixa de 400 metros ao longo das várias alternativas do traçado e nela foram inventariadas 28 ocorrências patrimoniais.

SIMLIS - Saneamento Integrado dos Municípios do Lis - Vale da Sesmaria 1 e 2

A ERA-Arqueologia efectuou duas sondagens mecânicas no âmbito da 2ª fase da Empreitada de execução das Infra-estruturas do Saneamento Integrado da Bacia do Lis.

Subestação de Alqueva 400/60 kV, Vidigueira, Portel (2ª intervenção)

Durante o acompanhamento arqueológico da empreitada de construção da Subestação de Alqueva, 400/60 kV, foi detectado um sepulcro escavado na rocha. Como no decurso da escavação deste vestígio foram identificados mais três, afectados pelos trabalhos mecânicos, procedeu-se à escavação integral das partes preservadas destes três sepulcros.

Sítio Arqueológico da Sobreira de Cima, Sepulcro 5

No âmbito da minimização de impactes da empreitada de construção da Subestação de Alqueva 400/60 kV sobre a necrópole neolítica da Sobreira de Cima, foi confirmada a presença de um novo sepulcro em área a afectar. Em face dessa detecção procedeu-se à escavação integral deste monumento funerário.

Barragem de Picote, Miranda do Douro (arte rupestre)

Esta intervenção consistiu na realização de diagnóstico do potencial arqueológico e das condições de execução de ulteriores trabalhos de prospecção dirigida à identificação de arte rupestre na zona de afectação da empreitada.

Desvio das Linhas Associadas à Subestação de Alqueva

Esta intervenção consistiu em trabalhos de acompanhamento arqueológico no âmbito da obra “Desvios das linhas associadas à subestação de Alqueva – linhas a 400 kV”.

Aproveitamento Hidroagrícola de Alvito-Pisão, sítio de Cuba 1

Os trabalhos arqueológicos realizados no sítio de Cuba 1 consistiram no diagnóstico e avaliação do potencial científico e patrimonial dos contextos arqueológicos presentes naquela zona.

Aproveitamento Hidroagrícola de Alvito-Pisão, Ermida da Senhora das Neves

A intervenção arqueológica no sítio da Ermida da Senhora das Neves revestiu-se de uma natureza de diagnóstico e avaliação do potencial científico e patrimonial dos contextos arqueológicos presentes naquele espaço.

Aproveitamento Hidroagrícola de Alvito-Pisão, Horta da Marineta

As acções arqueológicas no sítio da Horta da Marineta visaram a minimização de impactes sobre o património cultural resultantes das obras de implementação do Aproveitamento Hidroagrícola de Alvito-Pisão.

Aproveitamento Hidroagrícola de Alvito-Pisão, sítio do Monte do Outeiro

Os resultados obtidos nas 11 sondagens efectuadas e as observações de terreno no que respeita à existência de estruturas preservadas revelaram que apenas na vertente NO do cerro, onde se situa parte da necrópole do Monte do Outeiro, haveria uma afectação directa sobre contextos arqueológicos preservados.

Imóveis Arquitectónicos e Arte Rupestre (preservação), Sabor

A preservação in situ dos imóveis arquitectónicos e maciços com arte rupestre inseriu-se no cumprimento das medidas de minimização do RECAPE do Aproveitamento Hidroeléctrico do Baixo Sabor, em conformidade com o estabelecido na DIA.

Aproveitamento Hidroagrícola de Alvito-Pisão, sítio da Quinta da Graciosa 2

As sondagens de diagnóstico realizadas foram distribuídas ao longo do traçado das valas (previamente marcadas pela topografia da obra), procurando deste modo ter uma visão tão abrangente quanto possível do potencial estratigráfico existente.

Sítio de Alto da Pacheca, Alcochete

Os trabalhos de diagnóstico arqueológico no âmbito da construção de sistemas de drenagem visaram a avaliação e diagnóstico do impacte do traçado sobre o sítio de Alto da Pacheca, no sentido de determinar a necessidade da aplicação de medidas minimizadoras de maior amplitude.

CIRVER - Vale de Moinho, Carregueira, Chamusca (2ª intervenção)

Os trabalhos enquadraram-se na prevenção e minimização de impactes sobre vestígios patrimoniais susceptíveis de afectação por parte da obra, tendo em conta que em intervenções anteriores se haviam encontrados vestígios de actividade antrópica remontando ao Paleolítico.

Aproveitamento Hidroagrícola do Pessegueiro, sítio do Zambujeiro 3

A sondagem 19 e o seu posterior alargamento proporcionaram uma surpreendente realidade funerária: uma sepultura, escavada no substrato geológico.

Sítio de Trigaches 13, São Brissos, Beja

Estes trabalhos surgiram da identificação de concentrações pétreas que indiciavam a existência de uma possível estrutura preservada em local a afectar pela execução de um caminho.

Fábrica de papel tissue, Vila Velha de Rodão

Durante os trabalhos de pesquisa e de prospecção arqueológica foram detectados 3 achados isolados que corresponderiam a vestígios da ocupação humana durante a Pré-história neste local.

Linha MAT Falagueira-Estremoz (400 kv)

Levou-se a cabo o acompanhamento de todos os trabalhos de remoção de terras, designadamente, escavação das fundações dos apoios, desmatação, abertura de plataformas e de caminhos de acesso necessários para o desenrolar da obra.

AAE da área industrial de Vila Velha de Rodão

Os objectivos da intervenção foram os seguintes: inventariar elementos patrimoniais existentes na área de estudo; avaliar a importância patrimonial de cada uma das evidências detectadas; e identificar valores patrimoniais que pudessem integrar um plano estratégico.

Largo de Santos, nº 11, Lisboa

Foram realizadas três sondagens mecânicas no âmbito do projecto de construção imobiliária protagonizado pela EDIFER, com o objectivo de avaliar o potencial patrimonial.

Conservação de bens arqueológicos, Museu de Torres Vedras

O objectivo da intervenção foi restituir a forma física de dois fragmentos de bordo de vasos campaniformes provenientes do sítio arqueológico Castro de Santiago.

Estação do Oeste da Linha Ferroviária de Alta Velocidade (Lisboa/Porto)

Os objectivos principais foram a identificação e inventariação de elementos patrimoniais existentes na área de afectação pela construção dos acessos, a sua avaliação patrimonial e a avaliação do seu impacte.

Largo Trindade Coelho (diagnóstico arqueológico)

As acções arqueológicas executadas no Largo Trindade Coelho enquadraram-se numa perspectiva de minimização do impacte sobre o património decorrente da realização de uma vala para colocação de um sistema de saneamento

Carta Arqueológica de Vila do Bispo

Esta intervenção visou uma actualização da Carta Arqueológica do concelho de Vila do Bispo e constituiu uma base fundamental para futuros projectos de inventariação, estudo, digitalização e divulgação do património arqueológico.

Bloco de Rega de Orada – Amoreira, sítio Caliços 1

Estes trabalhos enquadraram-se na minimização de impactes sobre o património cultural decorrentes da obras de implementação do Bloco de Rega de Orada – Amoreira (fase prévia à obra)

Bloco de Rega de Orada – Amoreira, sítio Monte da Talabita 1

Como o traçado de uma conduta ia passar bastante próximo da área de dispersão de materiais, o plano de minimização de impactes previu a realização de sondagens manuais.

Estação Elevatória de Torre do Lóbio, sítio Casa Branca 2 (núcleos B e C)

Estes núcleos seriam afectados pela construção da Estação Elevatória de Torre do Lóbio, motivo pelo qual o plano de minimização de impactes previu a realização de sondagens manuais num total de 50 m2 no núcleo B e de 20 m2 no núcleo C

Conduta Elevatória de Pedrogão, sítio Malhada de Orada 2

O cabeço onde se encontraram os vestígios arqueológicos iria ser atravessado a meia encosta pela Conduta Elevatória de Pedrogão, motivo pelo qual o plano de minimização de impactes previu a realização de sondagens mecânicas num total de 40 m².

Aproveitamento Hidroagrícola de Alvito-Pisão, sítio Monte das Covas 3

Estes trabalhos enquadraram-se numa perspectiva de minimização de impactes sobre o património cultural decorrentes da execução da empreitada de beneficiação da rede viária e rede de drenagem.

Bloco de Rega de Orada – Amoreira, sítio Caliços 1 (Fase 3)

Efectuadas as sondagens de diagnóstico e a decapagem mecânica das mesmas, verificou-se a existência de mais interfaces negativas, o que levou à decisão de se proceder à escavação manual dos contextos que seriam afectados pela abertura de vala.

Bloco de Rega de Orada – Amoreira, sítio Corça 1 (Fase 3)

A escavação manual efectuada no sítio Corça 1 surge como medida de minimização preconizada face aos resultados obtidos na decapagem mecânica, numa fase anterior, onde se identificaram algumas possíveis interfaces negativas.

Antigo Parque de Festas, Tavira

Estes trabalhos de diagnóstico arqueológico visaram a obtenção de informação que auxiliasse o desenvolvimento da construção do Centro de Arte Contemporânea no antigo Parque de Festas, bem como a definição de condicionantes arqueológicas.

Calçada da Graça, nº 8, Lisboa

A intervenção arqueológica enquadrou-se no âmbito de um projecto de remodelação do edifício, visando a minimização de impactes sobre eventuais vestígios patrimoniais.

IC9 – Lanços EN1 (IC2)/Fátima (A1) e Fátima (A1)/Ourém (Alburitel)

O objectivo do acompanhamento arqueológico realizado no âmbito da construção do IC9 – Subconcessão Litoral Oeste foi a salvaguarda do património arqueológico, etnográfico e patrimonial durante os trabalhos de escavação.

Linha do Alentejo – Troço Bombel/Vidigal/Vendas Novas/Casa Branca/Évora

A ERA efectuou trabalhos de acompanhamento arqueológico no âmbito da empreitada de modernização da Linha do Alentejo.

Linha Batalha - Lavos, 400 kV, sítio de Calvário

A intervenção arqueológica no AP 25 surgiu na sequência da detecção de achados arqueológicos líticos, enquadráveis na Pré-História Antiga, na superfície da área a afectar pela construção do apoio, assim como nas suas imediações.

Linha Batalha - Lavos, 400 kV, sítio de Mata da Curvachia

A intervenção arqueológica no AP 29 surgiu na sequência do acompanhamento arqueológico da empreitada da Linha de Batalha - Lavos, enquadrando-se numa perspectiva de minimização de impactes face à construção do referido apoio.

Auto-Estrada do Litoral Oeste, tramo de Batalha, sítio de São Jorge

Esta intervenção consistiu na avaliação e diagnóstico do impacte do traçado da auto-estrada sobre o sítio de São Jorge.

Subconcessão do Baixo Alentejo, Lanço C, Monte do Carrascal 2

O conhecimento sobre a área de implantação do projecto determinou que a mesma fosse considerada de extrema sensibilidade arqueológica/patrimonial, levando à necessária tomada de acções tendo em vista a eventual necessidade de cumprir medidas de carácter preventivo.

Sítio de Portela de Seradelo 1, freguesia de Meirinhos, Mogadouro

Os trabalhos no sítio de Portela de Seradelo 1 enquadraram-se numa perspectiva de minimização de potenciais impactes arqueológicos de uma área a afectar pela construção do “Lote 8 Nozelos (IP 2)/Mogadouro”.

Anta dos Enxacafres, concelho de Grândola

A escavação integral da Anta dos Enxacafres permitiu a identificação de uma estrutura funerária em cujo tumulus se pôde encontrar, para além do monumento principal, composto por câmara funerária e corredor, uma pequena estrutura escavada na rocha interpretada como uma possível sepultura.

Necrópole de Carenque, Amadora

Foram realizadas 25 sondagens de diagnóstico, precedidas da desmatação e prospecção da área do traçado, no âmbito do projecto 2ª Fase da Conduta entre o Reservatório do Alto de Carenque e o Reservatório das Mercês.

Sítio do Tonel, Sagres (parecer técnico)

A ERA efectuou um parecer técnico relativo à observação dos perfis resultantes da afectação do subsolo num edifício sito no Tonel, Sagres.

Lanço C, Figueira de Cavaleiros/Beja, Subconcessão do Baixo Alentejo

Levaram-se a cabo trabalhos de prospecção geofísica com vista a mitigar impactes negativos sobre elementos arqueológicos existentes no subsolo e nas imediações da área de implementação do empreendimento.

Anta dos Enxacafres (escavação arqueológica integral)

A escavação arqueológica integral deste sítio permitiu a identificação de uma estrutura funerária em cujo tumulus, se pôde encontrar, para além do monumento principal, uma pequena estrutura escavada na rocha interpretada como uma possível sepultura.

Lanço B – Área do Viaduto sobre o Sado, sítio de Santa Margarida do Sado 3

Após a identificação deste sítio arqueológico num terraço fluvial em Santa Margarida do Sado (Ferreira do Alentejo), durante a fase de acompanhamento de obra, programou-se a realização de sondagens de diagnóstico arqueológico.

Lote 2 do IC3 – Avelar Norte/Condeixa, sítio de Ribeiro das Aradas

Os trabalhos arqueológicos realizados no sítio de Ribeiro das Aradas enquadraram-se numa perspectiva de minimização de impactes patrimoniais das obras da subconcessão do Pinhal Interior.

Nova ETAR de Vila Nova de Milfontes

Esta intervenção enquadrou-se numa perspectiva de minimização de impactes sobre o património cultural decorrentes da construção de uma nova Estação de Tratamento de Águas Residuais.

Rua do Recolhimento, n.º 35, Lisboa

As sondagens de diagnóstico efetuadas possibilitaram a identificação de uma longa diacronia de ocupação neste local, desde a Idade do Ferro à actualidade. Numa delas, registaram-se vestígios atribuídos ao período Romano republicano, nomeadamente um muro, já muito afectado por contextos posteriores.

Circuito Hidráulico de Baleizão – Quintos, Beja

Estes trabalhos enquadraram-se na minimização de impactes arqueológicos na área a afectar pela construção do Circuito Hidráulico de Baleizão-Quintos e respectivo Bloco de Rega

Circuito Hidráulico de Baleizão – Quintos (Beja), sítio de Monte das Cabeceiras 2

A intervenção surgiu da possibilidade de interferência desta empreitada com o sítio de Monte das Cabeceiras 2, referenciado em EIA como mancha de dispersão de material cerâmico e lítico, enquadrável em tipologias da pré-história recente.

Circuito Hidráulico de Baleizão – Quintos (Beja), sítio de Salvada 7

Os trabalhos surgiram da possibilidade de interferência da empreitada com o sítio de Salvada 7, correspondente a um Recinto de Fossos com cerca de 500 metros por 450 metros.

Alto do Coruto, Escariz, Arouca

Foi aberta uma sondagem de 5m2 numa área de concentração de blocos graníticos que poderiam corresponder à Mamoa 2 da Urreira descrita por Fernando Silva (2004).

Rua Beato Rodrigues e Av. Combatentes da Grande Guerra, Alcochete

O objectivo desta intervenção foi o diagnóstico prévio de uma área abrangida por uma Zona Especial de Protecção da Igreja de Alcochete, Capela da Nossa Senhora da Vida e Igreja da Misericórdia de Alcochete.

Carta Arqueológica do Concelho de Peniche

O objectivo foi actualizar informação referente a 26 sítios constantes da Carta Arqueológica do Concelho de Peniche e, também, prospectar 4 áreas previamente definidas como sensíveis devido à sua posição no território.

Bloco de Rega de Ferreira, Figueirinha e Valbom, Alqueva

Esta intervenção enquadrou-se numa perspectiva de Minimização de Impactes sobre o Património Cultural decorrente da implementação do Bloco de Rega de Ferreira Figueirinha e Valbom (Fase de Obra), integrado no Sistema Global de Rega do Alqueva.

Sítio do Barranco do Pinheiro, Bloco de Rega de Brinches, concelho de Serpa

Estes trabalhos enquadraram-se numa perspectiva de minimização de impactes sobre o património cultural decorrentes da execução do Bloco de Rega de Brinches, no concelho de Serpa.

Bloco de Rega de Faro, sítio de Covas 1

O sítio de Covas 1 foi intervencionado pela ERA no âmbito da Minimização de Impactes sobre o Património Cultural resultantes da execução do Bloco de Rega de Faro, correspondendo a uma série de estruturas negativas identificadas em vala no decorrer da empreitada.

Bloco de Rega de Faro, sítio Monte da Mourata 3

A intervenção arqueológica no sítio Monte da Mourata 3 assentou na minimização de impactes sobre um conjunto de estruturas negativas identificadas no decorrer da obra.

Linha de Batalha – Lavos, a 400 kv, Apoio n.º 85

Na sequência dos trabalhos de acompanhamento arqueológico da empreitada da Linha de Batalha – Lavos, a 400 kv, foi identificada na zona de implantação do poste nº 85 uma possível estrutura arqueológica negativa, eventualmente relacionada com ocupações humanas da pré-história dada a presença no local de materiais líticos, nomeadamente núcleo de sílex.

Sítio de Meu Jardim, EN 242 – variante da Nazaré, Concessão do Litoral Oeste

Os trabalhos enquadraram-se no processo de minimização de impactes sobre o património decorrentes da execução da EN 242 – variante da Nazaré, no âmbito da execução da Concessão do Litoral Oeste.

Bloco de Rega de Ferreira, Figueirinha e Valbom, Horta do João da Moura 1

No sítio da Horta do João da Moura 1, identificaram-se dois monumentos funerários pré-históricos (tipo Tholos).

Sepulcro 2 do Povoado dos Perdigões, Reguengos de Monsaraz

Estes trabalhos arqueológicos e de gabinete surgiram na continuidade dos que se desenvolveram no projecto “Ambientes Funerários no Povoado dos Perdigões” e que permitiram intervencionar integralmente o Sepulcro 1 e iniciar os trabalhos de investigação no Sepulcro 2.

Circuito Hidráulico S. Pedro – Baleizão, Monte Branco 5

À superfície identificaram-se materiais arqueológicos que representam uma fase de ocupação relacionada com um momento da pré-história antiga. Este conjunto engloba indústria lítica talhada (lascas, núcleos, percutores), com acentuado desgaste das arestas.

Circuito Hidráulico S. Pedro – Baleizão, Monte Branco 8

Esta intervenção arqueológica foi desenvolvida no sítio de Monte Branco 8, considerado no EIA como uma mancha de ocupação com cronologia atribuída à Pré-História.

Circuito Hidráulico S. Pedro – Baleizão, Monte Branco 10

Estes trabalhos consistiram na realização de 5 sondagens manuais de diagnóstico na área onde estava projectada a implantação de infraestruturas de rega, num total de 20 m².

Circuito Hidráulico S. Pedro – Baleizão, Monte da Chaminé 2

O sítio em questão foi inventariado com o nº 279 e considerado no Estudo de Impacte Ambiental como um habitat de cronologia atribuída à pré-história e ao período romano.

Programa Polis do Litoral Sudoeste, Praia da Samouqueira, Sines

No âmbito do empreendimento Polis do Litoral Sudoeste, foram aqui desenvolvidos, de janeiro a junho de 2014, trabalhos arqueológicos de prospeção, diagnóstico (sondagens) e acompanhamento de obras.

Circuitos Hidráulicos de Amoreira-Caliços e Caliços-Pias, Monte da Guedelha 1

Foram implantadas sondagens de forma a caracterizar espacialmente as estruturas negativas identificadas no local, nomeadamente 15 estruturas negativas do tipo fossa e duas estruturas negativas com formatos ovais, provavelmente fundos de assentamentos domésticos.

Bloco de Rega Moura Gravítico, Barranco dos Caliços (ID62)

Foram realizadas quatro sondagens manuais de diagnóstico, que procuraram caracterizar a estratigrafia da área e compreender a possível presença deste sítio arqueológico.

Bloco de Rega Moura Gravítico, Monte dos Coteis 5

Embora tivessem sido identificados raros elementos líticos (à superfície e muito rolados) no terreno onde se realizaram as sondagens, estes elementos não foram observados durante a escavação das mesmas.

Bloco de Rega Moura – Gravítico, Vale de Carvão 1

Caracterizado como uma mancha de ocupação com materiais enquadráveis na Idade do Ferro, Romano e Medieval, no Vale de Carvão 1 observaram-se fragmentos de cerâmica com baixa densidade, levantados pelas valas abertas para plantação do olival.

Bloco de Rega Moura – Gravítico, Vale de Figueiras 4

Esta intervenção consistiu na realização de 9 sondagens, no total de 84,25 m², que incidiram sobre um conjunto de 9 estruturas negativas identificadas no decorrer do acompanhamento de obra.

Bloco de Rega Moura – Gravítico, Vale de Carvão 7

Esta intervenção consistiu na realização de 3 sondagens de diagnóstico, no total de 32 m², que incidiram sobre um conjunto de estruturas negativas identificadas no decorrer do acompanhamento de obra.

Blocos de Rega de Vale do Gaio, Atalaia da Quinta

Foram realizadas 3 sondagens, num total de 20 m², para caracterização das possíveis estruturas identificadas, tendo esta área sido definida de acordo com a área de afectação e os vestígios existentes à superfície.

Blocos de Rega de Vale do Gaio, Cancelinha 1

Durante o acompanhamento de obra associado ao projecto, foi identificado um conjunto de possíveis estruturas negativas de carácter arqueológico. Procedeu-se então à execução de um total de 18 sondagens arqueológicas para escavação dos referidos contextos.

Bloco de Rega Moura – Gravítico, Casa da Vinha

Esta intervenção consistiu na realização de 6 sondagens de diagnóstico, no total de 14, 75 m², que incidiram sobre um conjunto de estruturas negativas identificadas no decorrer do acompanhamento arqueológico de abertura de vala.

Blocos de Rega de Vale do Gaio, Convento de São Francisco 2

No contexto da minimização de impactes decorrentes da execução destes Blocos de Rega, a ERA realizou 8 sondagens arqueológicas no sítio do Convento de São Francisco 2.

Blocos de Rega de Vale do Gaio, Convento de São Francisco 3

Foi programada a realização de 8 sondagens arqueológicas na sequência de possíveis contextos arqueológicos identificados durante o acompanhamento de obra associado à execução deste projeto.

Blocos de Rega de Vale do Gaio, Convento de São Francisco 5

Levados a cabo em três fases diferenciadas, estes trabalhos permitiram identificar um conjunto de silos de provável cronologia medieval, uma sepultura da Idade do Ferro e alguns contextos não arqueológicos.

Adutor de Vale do Gaio (troço 4), Horta do Cabral 6

Perante a identificação de um conjunto de manchas circulares que apontavam ser estruturas negativas de origem antrópica, foi necessário caracterizar e proceder ao seu salvamento através do registo.

Blocos de Rega de Vale do Gaio e Adutor de Vale do Gaio, Horta do Pinheiro 5

Os trabalhos permitiram identificar um conjunto de estruturas negativas tipo fossa, uma delas utilizada como espaço funerário, e uma área de necrópole, com diversos enterramentos.

Blocos de Rega de Vale do Gaio e Adutor de Vale do Gaio, Horta do Pinheiro 6

Após se terem identificado, neste sítio, 6 interfaces negativas tipo fossa e fosso, no decurso dos trabalhos de acompanhamento de decapagem de vala, foram realizadas sondagens arqueológicas para caracterização destas ocorrências.

Ligação ao Sistema de Adução de Morgável, Ermidas Aldeia

De modo a avaliar o potencial arqueológico do local, realizaram-se 6 sondagens mecânicas no eixo central da área de afectação, implantadas numa área de dispersão de materiais arqueológicos à superfície.

Ligação ao Sistema de Adução de Morgável, Ermidas Aldeia 2

Realizaram-se 5 sondagens mecânicas no eixo central da área de afectação, numa área total de 20 m², implantadas numa plataforma localizada na margem direita do rio Sado.

Blocos de Rega de Vale do Gaio, Freixeira

Foram realizadas 5 sondagens arqueológicas, num total de 8 m2, para escavação de possíveis estruturas negativas.

Blocos de Rega de Vale do Gaio, Galaz

A escavação realizada permitiu identificar duas estruturas negativas escavadas na rocha, de formas irregulares e função indeterminada.

Blocos de Rega de Vale do Gaio, Horta da Cancela 2

Foram implantadas sondagens no local de acordo com a área de afectação e com os vestígios existentes à superfície: um possível forno e um pequeno covacho, ambos de cronologia indeterminada, e ainda duas possíveis estruturas negativas.

Blocos de Rega de Vale do Gaio, Horta da Cancela 4

O acompanhamento de obra associado ao projecto identificara, na C1.3 Alvito Alto, uma sepultura e uma estrutura negativa subcircular. Perante estes contextos, programou-se a realização de duas sondagens arqueológicas numa área total de 8,5 m².

Blocos de Rega de Vale do Gaio, Horta Nova 4

Face à identificação de um conjunto de contextos arqueológicos, programou-se, inicialmente, a realização de um conjunto de sondagens arqueológicas de diagnóstico, posteriormente alargadas para escavação e caracterização dos contextos em área de afectação de obra.

Circuito Hidráulico de São Matias, Monte da Polina 1

Esta intervenção resultaram da descoberta, em trabalhos de decapagem mecânica do terreno, de vários vestígios arqueológicos, sendo abrangida uma área total de 481,41 m², distribuída por várias sondagens e dividida por dois núcleos de ocupação.

Circuito Hidráulico de São Matias, Monte de Mata Bodes 4

As sondagens arqueológicas realizadas permitiram identificar um conjunto de estruturas em negativo que julgámos serem de diferentes épocas cronológicas, atestando a ocupação deste Monte ao longo dos tempos.

Circuito Hidráulico de São Matias, Monte do Meio 6

A intervenção consistiu na escavação integral de 2 estruturas negativas, num total de 5 m2, que se encontravam dispersas entre os PK 7+278 e 7+280.

Herdade do Mercador (Mourão), Monte do Mercador 7

Os trabalhos realizados identificaram a continuação dos contextos escavados na primeira fase, correspondentes a uma ocupação materializada pela presença de compartimentos, buracos de poste e lajeados de cariz habitacional.

Circuito Hidráulico de São Matias, Ribeira de São Pedro

Estes trabalhos consistiram na realização de uma sondagem de 7 m² para a escavação de uma numa estrutura negativa com materiais atribuíveis ao Bronze Final/Idade do Ferro.

Ligação ao Sistema de Adução de Morgável, Monte Novo dos Modernos 1

Realizaram-se 11 sondagens manuais no eixo central da área de afectação, implantadas numa área de dispersão de materiais líticos à superfície e de acordo com as condições geomorfológicas do local.

Ligação ao Sistema de Adução de Morgável, Monte Novo dos Modernos 2

Realizaram-se 3 sondagens mecânicas no eixo central da área de afectação, implantadas numa plataforma adjacente ao sítio de Monte Novo dos Modernos 1.

Circuito Hidráulico de Roxo-Sado, Porto Monte Coelho

Esta intervenção iniciou-se no seguimento da descoberta, em trabalhos de decapagem mecânica, de estruturas e alinhamentos pétreos, sendo identificados e caracterizados os vestígios remanescentes de um moinho.

Sistema de Adução de Morgável, Vale da Represa 1

Realizaram-se 8 sondagens mecânicas no eixo central da área de afetação, implantadas numa área de dispersão de materiais arqueológicos à superfície e de acordo com as condições geomorfológicas do local.

Circuito Hidráulico de Roxo-Sado, Vale Serrão

Os trabalhos incidiram sobre uma mancha de materiais identificada à superfície, correspondendo à abertura de 3 sondagens. Posteriormente, foi intervencionada uma estrutura negativa.

Blocos de Rega de Beringel-Beja, Álamo 1

Levou-se a cabo uma sondagem de diagnóstico no local onde a equipa de acompanhamento arqueológico identificara uma estrutura positiva correspondente a um muro, no aparelho do qual era visível um grande bloco em opus signinum.

Blocos de Rega de Beringel-Beja, Almocreva

Foram realizadas cinco sondagens manuais com o objectivo de registar a estratigrafia completa de uma área já previamente diagnosticada e de caracterizar um conjunto de estruturas negativas de possível interesse arqueológico.

Blocos de Rega de Vale do Gaio, Ribeira do Carrasco 2

Realizaram-se 7 sondagens implantadas sobre manchas com diversas formas (irregulares, circulares e em “osso”), que poderiam corresponder a estruturas negativas.

Blocos de Rega de Vale do Gaio, Vale de Lameiros

A intervenção visou caracterizar, numa primeira fase, um conjunto de manchas sub-circulares e, numa segunda fase, uma possível estrutura negativa afetada durante a abertura de vala.

Blocos de Rega de Beringel-Beja, Lobeira do Meio 1

Realizaram-se 28 sondagens de diagnóstico, que incidiram sobre um conjunto de estruturas negativas identificado durante o acompanhamento de obra, num total de 125,5 m2.

Blocos de Rega de Beringel-Beja, Monte do Bolor 1 e 2

Perante a identificação, em acompanhamento de obra, de uma possível estrutura negativa, foi programada a realização de 1 sondagem arqueológica, num total de 4 m2, para a sua escavação.

Blocos de Rega de Beringel-Beja, Monte do Almocreva

Esta intervenção iniciou-se no seguimento da descoberta, em trabalhos de acompanhamento arqueológico, de duas interfaces negativas escavadas no substrato geológico.

Variante dos Capuchos, Leiria

Nesta intervenção, é de salientar a identificação de diversos contextos arqueológicos enquadráveis numa ampla diacronia, desde a Pré-historia Antiga (Paleolítico Inferior) à Época Contemporânea.

Empreendimento Rei Ramiro Terraces, Vila Nova de Gaia

O plano de trabalhos preconizou o alargamento em área das sondagens realizadas, em 2008, na plataforma superior, onde haviam sido identificados contextos romanos, e a escavação de duas novas sondagens na plataforma inferior, dentro do actual edifício.

Abastecimento Hidroagrícola da Baixa de Óbidos

Procedeu-se, até ao final do mês de Setembro de 2016, ao acompanhamento de toda a movimentação de terras, no sentido de salvaguardar pelo registo as realidades ali observadas.

Bloco de Rega de Ferreira, Figueirinha e Valbom, Monte de Pombal 1

O sítio intervencionado apresentava uma série de contextos de cronologias diversas, sobretudo estruturas negativas de distintas morfologias, funcionalidades e cronologia.

Adutor Pisão-Roxo (Fase de Obra), Vinha das Caliças 5

Efetuou-se a escavação arqueológica manual dos 7 m2 de sondagens implantadas sobre os depósitos e estruturas negativas identificadas pela equipa responsável pelo acompanhamento arqueológico.

Adutor Pisão-Roxo (Fase de Obra), Vale Frio

Neste sítio foram diagnosticados, em diferentes fases de acompanhamento, uma cista e um conjunto de três cistas da Idade do Bronze.

Bloco de Rega de Ferreira, Figueirinha e Valbom, Vale de Bangula

Neste sítio, haviam sido detetadas, em acompanhamento de obra, algumas manchas bem distintas no subsolo de caliço esbranquiçado. Assim, foram realizadas duas sondagens na área de afectação, sendo que uma delas detinha em si um conjunto de interfaces pouco perceptíveis.

Bloco de Rega de Ferreira, Figueirinha e Valbom, Monte de Mancocas

Os trabalhos de escavação arqueológica realizados no local puderam registar a existência de 2 fossas morfológica e cronologicamente distintas.

Bloco de Rega de Ferreira, Figueirinha e Valbom, Vale de Bangula 1

Tendo em conta as estruturas negativas identificadas no decurso da decapagem das terras de superfície, estabeleceu-se em reunião prévia de campo a realização de cinco sondagens manuais, totalizando 21.75 m2

Bloco de Rega de Ferreira, Figueirinha e Valbom, Poço da Gontinha 1

Neste local, havia sido identificado um conjunto de interfaces negativas, de funcionalidade diversas, associadas a materiais enquadráveis na Pré-história, na proto-história, em épocas romana e moderna.

Bloco de Rega de Ferreira, Figueirinha e Valbom, Peroguarda 1

Estabeleceu-se a realização de quatro sondagens manuais, totalizando 8.9 m2, tendo em conta a dimensão das estruturas negativas identificadas no decurso da decapagem das terras de superfície.

Bloco de Rega de Ferreira, Figueirinha e Valbom, Monte do Sabino 3

Realizaram-se três sondagens manuais na sequência da identificação de duas interfaces negativas e uma mancha de terras negras durante a decapagem da camada vegetal na área da vala da Conduta 1 do Sub-bloco de Ferreira.

Bloco de Rega de Ferreira, Figueirinha e Valbom, Monte do Cardim 3

Os trabalhos efetuaram-se após a identificação, no decurso do acompanhamento da abertura da vala CP de Ferreira, de 6 estruturas negativas, de funcionalidade indeterminada, colmatadas aparentemente na Idade do Bronze.

Bloco de Rega de Ferreira, Figueirinha e Valbom, Monte Cardim 6

Os trabalhos puseram a descoberto uma múltipla realidade composta por estruturas negativas sub-circulares, uma estrutura quadrangular associada aos trabalhos agrícolas, um sepulcro tipo tholos e dois possíveis hipogeus em associação com este último.

Bloco de Rega de Ferreira, Figueirinha e Valbom, Sub-estação de Ferreira 3

Tendo em conta uma estrutura negativa, de funcionalidade e cronologia indeterminadas, identificada no decurso dos trabalhos de instalação da conduta CP, estabeleceu-se a realização de uma sondagem manual de 1,5 m x 1,5.

Bloco de Rega de Brinches, Sub-Bloco Cangueiros, Barranco do Pinheiro

A escavação arqueológica revelou a existência de 6 realidades caracterizáveis como fossas, 5 delas morfologicamente semelhantes, embora de dimensões variáveis.

Bloco de Rega de Brinches, Sub-Bloco Cangueiros, Monte do Gato de Cima 3

Nas sondagens intervencionadas verificou-se a existência de dois enterramentos, um em fossa circular e outro numa estrutura mais complexa, constituída por câmara e antecâmara, sendo que ambas as ocorrências se enquadram cronologicamente na Idade do Bronze.

Bloco de Rega de Brinches, Sub-Bloco Cangueiros, Outeiro Alto 2

A continuação dos trabalhos afetos à obra de construção do reservatório Brinches Sul viria a revelar uma necrópole da Idade do Bronze, uma área habitacional constituída por um fosso escavado no substrato geológico e um conjunto relativamente amplo de fossas, cronologicamente enquadráveis na transição entre o Neolítico Final e o Calcolítico.

Bloco de Rega de Brinches, Sub-Bloco Cangueiros, Ourém 6

Os níveis arqueológicos registados no interior das fossas mostraram tratar-se de uma ocupação calcolítica, localizada algures no III milénio a.C.

Bloco de Rega de Brinches, Sub-Bloco Cangueiros, Ourém 7

As quatro sondagens escavadas revelaram estruturas com funcionalidades distintas entre si, podendo, contudo, pertencer ao mesmo sítio arqueológico e mesmo momento de ocupação, neste caso à Idade do Bronze.

Bloco de Rega de Brinches, Sub-Bloco Cangueiros, Ourém 8

Foi intervencionada uma fossa aberta no substrato geológico, preenchida por quatro depósitos distintos, cujos materiais exumados revelaram tratar-se de uma ocupação atribuível à Idade do Bronze.

Bloco de Rega de Brinches, Sub-Bloco Contendinha, Figueirinha

As ações arqueológicas no sítio da Figueirinha enquadraram-se numa perspectiva de minimização de impactes sobre quatro estruturas negativas identificadas no decorrer da execução do Bloco de Rega de Brinches (Fase de Obra).

Bloco de Rega de Brinches, Sub-Bloco Magoita, Cadavais

Neste sítio havia sido identificada uma mancha com materiais de época romana e dois interfaces negativos de cronologia e funcionalidade indeterminada, podendo um deles corresponder a uma sepultura ou cista, observando-se no corte a presença de lajes de xisto no seu interior.

Bloco de Rega de Brinches, Sub-Bloco Magoita, Covas 1

Levou-se a cabo a escavação arqueológica manual dos 61,75 m2 de sondagens implantadas sobre os depósitos e estruturas negativas identificadas durante ações de acompanhamento arqueológico.

Bloco de Rega de Brinches, Sub-Bloco Magoita, Magoita

A escavação de 12 realidades arqueológicas revelou a existência de vários tipos de contextos, que se caracterizaram por terem morfologias e enchimentos diferentes, decorrentes certamente da sua função primária e/ou secundária.

Bloco de Rega de Brinches, Sub-Bloco Magoita, Monte da Magoita 1

Realizaram-se 5 sondagens de diagnóstico nos locais do traçado da vala de rega onde a equipa de acompanhamento registara a presença de vestígios que apontavam a presença de estruturas negativas de origem antrópica, de forma a poder caracterizar e proceder ao seu salvamento através do registo.

Bloco de Rega de Brinches, Sub-Bloco Magoita, Monte da Magoita 2

No sítio do Monte da Magoita 2 identificara-se, no decurso do acompanhamento da abertura de uma vala, uma interface tipo fossa associada a fragmentos de cerâmica e alguns líticos enquadráveis no período do Calcolítico.

Bloco de Rega de Brinches, Sub-Bloco Magoita, Monte de Cortes 1

No sítio Cortes 1 haviam sido identificadas, no decurso do acompanhamento de abertura de uma vala, três interfaces e um recinto megalítico constituído por um menir aparentemente delimitado por um fosso.

Bloco de Rega de Brinches, Sub-Bloco Magoita, Monte de Cortes 2

A intervenção arqueológica no sítio de Monte de Cortes 2 teve como resultado a identificação de uma série de estruturas negativas isoladas, de origem antrópica, que se articulavam em torno de um conjunto de quatro fossas associadas aos restos de um menir.

Bloco de Rega de Brinches, Sub-Bloco Magoita, Monte de Cortes 3

Tendo em conta a identificação de quatro interfaces, de funcionalidade e período cronológico indeterminados, no decurso de trabalhos de acompanhamento de obra, estabeleceu-se a realização de quatro sondagens manuais, totalizando 14,5 m2.

Bloco de Rega de Brinches, Sub-Bloco Magoita, Monte Novo 1

Este sítio correspondia a três interfaces negativas, de funcionalidade e período indeterminado, registadas no decorrer dos trabalhos de acompanhamento da abertura da vala para a instalação de uma conduta.

Bloco de Rega de Brinches, Sub-Bloco Magoita, Monte Novo 2

Foram realizadas cinco sondagens de diagnóstico incidindo sobre estruturas negativas, que revelaram a existência de um conjunto de fossas de cronologia indeterminada, mas presumivelmente enquadradas no período Pré-histórico.

Bloco de Rega de Brinches, Sub-Bloco Magoita, Monte Velho 1

Os trabalhos no sítio do Monte Velho 1 enquadraram-se na minimização de impactes sobre o património resultantes da execução do Bloco de Rega de Brinches, tendo decorrido em duas fases, Abril e Junho de 2009, respetivamente.

Bloco de Rega de Brinches, Sub-Bloco Magoita, Ribeira de Pias 2

A intervenção no sítio arqueológico de Ribeira de Pias 2 permitiu a identificação de uma estrutura negativa que continha contextos funerários preservados em contexto primário.

Bloco de Rega de Brinches, Sub-Bloco Magoita, Ribeira de São Domingos 1

As sondagens revelaram, entre outras coisas, a existência de sepulturas de cronologia islâmica, seladas por lajes de xisto.

Bloco de Rega de Brinches, Sub-Bloco Magoita, Várzea de Cima 1

Das estruturas negativas intervencionadas, apenas seis revelaram uma natureza antrópica, sendo que as restantes foram interpretadas como resultados de ações naturais, tais como tocas de animais de pequeno/médio porte.

Bloco de Rega de Brinches, Sub-Bloco Magoita, Várzea de Cima 2

Neste sítio foram identificados seis núcleos de interfaces, tendo-se realizado 12 sondagens incidindo nas estruturas negativas afetadas. Numa segunda fase, foi intervencionada uma 13.ª sondagem, que revelou a existência de uma fossa com material arqueológico enquadrável no Calcolítico.

Bloco de Rega de Brinches, Sub-Bloco Magoita, Zambujeira 1

A escavação do local revelou a presença de três interfaces de natureza antrópica, de cronologia desconhecida. Foi possível, no entanto, enquadrar estas fossas, dada a presença de líticos e cerâmica manual à superfície, na Pré-história recente.

Bloco de Rega de Brinches, Sub-Bloco Navegadas, Centirã 3

A identificação de várias interfaces negativas em corte levou ao estabelecimento inicial de um total de 124 m2 de escavação para que se procedesse à correta caracterização das realidades identificadas.

Bloco de Rega de Brinches, Sub-Bloco Navegadas, Monte do Pinheiro

A intervenção permitiu a identificação de interfaces negativas cuja funcionalidade não ficou esclarecida, podendo situar-se cronologicamente na Pré-História.

Bloco de Rega de Brinches, Sub-Bloco Navegadas, Monte da Caramujeira 2

As duas estruturas negativas identificadas poderiam corresponder a dois fundos de cabana e a uma parte de uma possível terceira. Foi ainda identificado um recipiente em cerâmica manual in situ, colocado diretamente sobre a base da estrutura negativa.

Bloco de Rega de Brinches, Sub-Bloco Navegadas, Monte da Caramujeira 3

A intervenção da ERA-Arqueologia no sítio do Monte da Caramujeira 3 recaiu sobre duas estruturas negativas de planta circular e escavadas no caliço, de funcionalidade desconhecida.

Bloco de Rega de Brinches, Sub-Bloco Navegadas, Monte Gargantas

Foram realizadas três sondagens de diagnóstico incidindo sobre um conjunto de estruturas negativas, que revelaram a existência de duas fossas, sendo que uma destas apresentava um enterramento.

Bloco de Rega de Brinches, Sub-Bloco Navegadas, Navegados 4

A intervenção permitiu registar uma estrutura negativa, onde se identificaram três depósitos de enchimento distintos, verificando-se a presença de bastantes fragmentos cerâmicos, para além de alguns elementos pétreos de média dimensão.

Bloco de Rega de Brinches, Sub-Bloco Várzea, Mina das Azenhas 6

A intervenção permitiu registar uma fossa com um enterramento de um indivíduo adulto, sendo os dados materiais inconclusivos no que se refere ao período cronológico, permitindo apenas enquadrar esta ocupação na demasiado lata Pré-história recente.

Bloco de Rega de Ferreira, Figueirinha e Valbom, Mancocas 4

A atribuição funcional das estruturas negativas ficou comprometida, uma vez que as suas características formais e os materiais arqueológicos exumados não permitiram uma conclusão categórica, devendo aproximar-se da Idade do Bronze.

Bloco de Rega de Ferreira, Figueirinha e Valbom, Mancocas 3

Uma das estruturas intervencionadas não forneceu qualquer informação científica e outras duas puderam-se interpretar como estruturas de tipo “fossa” genericamente enquadráveis na pré-história recente.

Bloco de Rega de Ferreira, Figueirinha e Valbom, Ribeira do Vale do Ouro 5

A conduta projetada para este local cortou longitudinalmente parte de uma estrutura negativa, pondo igualmente a descoberto um depósito de materiais associados de modo genérico ao período Calcolítico.

Bloco de Rega de Baleizão-Quintos, Arroteia 12

Neste local, no decurso do acompanhamento de obra, foram identificadas 2 manchas de argila de formas circulares e alongadas no substrato geológico, tendo-se realizado 2 sondagens manuais.

Bloco de Rega de Baleizão-Quintos, Arroteia 13

Tendo em conta a identificação de 5 manchas de argila de formas circulares e sub-circulares no substrato geológico, estabeleceu-se a realização de 5 sondagens manuais

Subconcessão do Baixo Alentejo, Lanço B, Santa Margarida do Sado 4

No decorrer da escavação foram identificados escassos materiais arqueológicos (núcleos e seixos talhados) dispersos de forma aleatória pelo espaço e uma interface possivelmente de origem natural.

Subconcessão do Baixo Alentejo, Lanço C, Bela Vista 4

Após a decapagem mecânica e limpeza da restante área, identificou-se um total de 115 estruturas negativas, verificando-se a existência de contextos pré-históricos, quer de funcionalidade doméstica quer de funcionalidade ritual.

Subconcessão do Baixo Alentejo, Lanço C, Bela Vista 5

Após a identificação deste sítio, foi proposta e iniciada, como trabalho de minimização de impacte, a limpeza e escavação arqueológica dos contextos identificados, tendo como objectivo a caracterização cronológico-funcional das realidades aí presentes.

Subconcessão do Baixo Alentejo, Lanço C, Misericórdia 1

No decurso da intervenção, que resultou de sondagens de diagnóstico realizadas anteriormente, identificaram-se 46 fossas, todas de formação antrópica, enquadráveis cronologicamente na Idade do Bronze e em época tardo-romana.

Subconcessão do Baixo Alentejo, Lanço C, Misericórdia 2

Foram identificadas doze fossas, das quais onze de formação antrópica, sete enquadráveis cronologicamente na Idade do Bronze final e em quatro dos casos não foi possível aferir a sua caracterização cronológica.

Subconcessão do Baixo Alentejo, Lanço C, Misericórdia 4

Esta intervenção revelou a existência de 6 estruturas negativas associadas cronologicamente a um período compreendido genericamente entre a pré-história e a pré-história recente.

Subconcessão do Baixo Alentejo, Lanço C, Monte do Arcediago 1

A realização destes trabalhos permitiu a identificação de um espaço funerário com duas fases de utilização, cronologicamente enquadradas na Idade do Ferro (séc. VI a IV a. C) e no período tardo-romano.

Subconcessão do Baixo Alentejo, Lanço C, Vale do Ouro

Verificou-se um total de 112 estruturas negativas com diferentes tipologias, cronologias e funcionalidades, permitindo apontar para o sítio do Vale do Ouro uma diacronia de ocupação longa, entre a Pré-História recente e a Época Moderna.

Subconcessão do Baixo Alentejo, Lanço F, Areal

Destes trabalhos foi possível concluir que o sítio com ocupação do Neolítico Antigo se encontrava fora da área de afetação, no local anteriormente intervencionado.

Subconcessão do Baixo Alentejo, Lanço F, Brejo Redondo 2

Estes trabalhos tiveram como objetivo confirmar se a área do sítio arqueológico era superior à conhecida e confirmar a existência de contextos arqueológicos preservados na área de afetação do projeto.

Aproveitamento Hidroeléctrico de Ribeiradio – Ermida, sítio arqueológico do Vau

Foram identificados e delimitados contextos arqueológicos preservados, enquadrados na Pré-História Antiga, que apresentaram características relacionadas com ocupações de comunidades de caçadores-recolectores, materializadas em artefactos de pedra lascada.

Subconcessão do Pinhal Interior, Lote 1 – Tomar/Avelar Sul, sítio do Pessegueiro

Durante a execução da sondagem, identificou-se uma estrutura antrópica e um possível nível de ocupação destruído pelo plantio de eucaliptos.

Subconcessão do Pinhal Interior, Lote 1 – Tomar/Avelar Sul, sítio de São Marcos

Após a conclusão das sondagens, não foram identificados níveis arqueológicos preservados nem uma grande quantidade de material arqueológico.

Subconcessão do Pinhal Interior, Lote 1 – Tomar/Avelar Sul, sítio de São Marcos 2

A realização da sondagem mecânica permitiu averiguar a inexistência de depósitos sedimentares com artefactos arqueológicos, concluindo-se que os materiais recolhidos anteriormente eram residuais e que o local da sua proveniência se encontrava para lá dos limites de expropriação.

Subconcessão do Pinhal Interior, Lote 1 – Tomar/Avelar Sul, sítio de São Marcos 3

A realização da sondagem mecânica e das crivagens a seco permitiu recolher alguma informação sobre a formação sedimentar deste sítio, perturbação e ocupação humana.

Subconcessão do Pinhal Interior, Lote 1 – Tomar/Avelar Sul, sítio de São Marcos 4

A realização da sondagem permitiu delimitar uma mancha silto-arenosa com materiais arqueológicos em posição secundária.

Subconcessão do Pinhal Interior, Lote 2, Avelar/Condeixa, Senhora da Alegria 2

Neste local, haviam sido identificados, durante o acompanhamento arqueológico da empreitada, vestígios correspondentes a uma mancha de material de época provavelmente Neolítica.

Sistema Interceptor de Beja, Quinta da Abóbada, Horta de Todos

Na Quinta da Abóbada, foram realizadas 15 sondagens de diagnóstico que revelaram uma longa diacronia daquele espaço, desde a Pré-História ao período Moderno.

Sistema Interceptor de Beja, Terras Frias 3

As estruturas e contextos identificados correspondem a um conjunto de vestígios da pars rustica de uma vila romana, tendo sido possível ao longo desta intervenção aferir a evolução ocupacional deste local, desde a sua fundação no século I d.C. até aos nossos dias.

Empreitada de proteção e recuperação da Costa Vicentina: Ponta da Atalaia

Os trabalhos consistiram na execução de 3 sondagens de diagnóstico e no acompanhamento arqueológico dos trabalhos de construção: perfurações para instalação de estacaria e nivelamento dos dois acessos a esses passadiços.

Bloco de Rega de Baleizão-Quintos, Monte Alto 3

A intervenção resultou na identificação de 17 estruturas negativas de origem antrópica.

Bloco de Rega de Baleizão-Quintos, Quinta do Castelo 6

A intervenção teve como resultado a identificação de 10 estruturas negativas de origem antrópica (nove de planta circular e uma de planta irregular) e uma de origem indeterminada.

Bloco de Rega de Baleizão-Quintos, Monte das Oliveiras 1

A intervenção possibilitou a identificação de 9 estruturas negativas, 7 de origem antrópica e 2 de origem natural, tendo os materiais cerâmicos recolhidos nos seus enchimentos sido enquadrados no período do Bronze

Bloco de Rega de Baleizão-Quintos, Monte das Oliveiras 2

A intervenção resultou na identificação de uma estrutura negativa, tipo cova artificial, num estado de conservação regular, onde se registou a presença de um único enterramento associado a uma taça de cerâmica.

Bloco de Rega de Baleizão-Quintos, Monte das Oliveiras 3

A intervenção teve como resultado a identificação de 4 estruturas negativas de origem antrópica: duas de planta retangular, uma de planta irregular e uma planta circular.

Bloco de Rega de Baleizão-Quintos, Monte do Vermelho 1

A escavação arqueológica possibilitou a identificação de 8 estruturas negativas de origem antrópica, sete enquadráveis no período do Bronze e uma de época indeterminada.

Bloco de Rega de Baleizão-Quintos, Monte Novo da Quinta do Castelo 1

A intervenção permitiu a identificação de duas estruturas de origem antrópica: o canal colmatado de um antigo ribeiro e uma bolsa de argilas de origem natural.

Bloco de Rega de Baleizão-Quintos, Monte Novo da Quinta do Castelo 3

A escavação arqueológica conduziu à deteção de duas estruturas negativas de planta circular e corpo subcilíndrico com um único depósito de enchimento.

Conduta Adutora Baleizão-Quintos, Monte da Robalinha

O tipo de arquitetura mais representado neste sítio resume-se a estruturas negativas do tipo fossa com plano circular, paredes rectas e fundo ligeiramente concavo ou mesmo plano.

Circuito Hidráulico Baleizão-Quintos, Monte Novo da Saudade

A intervenção pôs em evidência uma pequena estrutura de combustão preservada, aparentemente de cronologia pré-histórica, não tendo sido identificados materiais in situ que a permitissem enquadrar crono-culturalmente.

Circuito Hidráulico Baleizão-Quintos, Quinta do Estácio 6

A intervenção resultou na identificação de estruturas negativas e positivas, representadas por uma grande variedade tipológica, funcional e cronológica, abarcando desde o Neolítico Final até época Tardo-Romana.

Circuito Hidráulico Baleizão-Quintos, Quinta do Estácio 12

A escavação pôs em evidência quatro estruturas negativas do tipo fossa de diferentes tipologias, inseridas crono-culturalmente na Pré-História recente, nomeadamente na Idade do Bronze.

Aproveitamento Hidroeléctrico de Ribeiradio-Ermida, sítio Rôdo (Sever do Vouga)

A intervenção permitiu identificar contextos arqueológicos preservados enquadrados crono-culturalmente no Paleolítico Superior.

Inventário Patrimonial do Concelho de Ílhavo

As prospeções arqueológicas no âmbito do projeto de Inventário Patrimonial do Concelho de Ílhavo visaram a relocalização de sítios e a identificação de novas realidades patrimoniais que pudessem existir no concelho, bem como proceder à sua caracterização em termos de valor científico e patrimonial.

Palácio Ludovice, Lisboa

Estes trabalhos arqueológicos foram realizados no âmbito do empreendimento de reabilitação do Palácio Ludovice, classificado como Imóvel de Interesse Público e abrangido pela Zonas de Proteção do Ascensor da Glória, do Aqueduto das Águas Livres e dos imóveis classificados da Avenida da Liberdade e área envolvente.

Sítio do Cerrado do Castelo, Grândola

As obras a realizar implicariam a afetação de áreas com potencial arqueológico, dado que se iriam desenvolver num local onde é conhecida a presença de um sítio arqueológico de época romana.

Bloco de Rega de Pias, Barranco de Pias 3

Na sequência de prospeções arqueológicas, o sítio fora classificado como uma mancha de ocupacão, na qual foram identificadas cerâmicas manuais e a torno, o que poderia indicar uma longa diacronia de ocupação, entre a pré-história recente e o período romano.

Bloco de Rega de Pias, Bota Cerva 2

Os artefactos líticos de pedra talhada identificados nos depósitos argilosos revelaram estarmos perante materiais de proveniência geográfica próxima do sítio intervencionado, provavelmente de um ponto mais a norte da linha de água.

Bloco de Rega de Pias, Caseta do Cangueiro 2

Este sítio fora inventariado na sequência dos trabalhos de prospeção arqueológica complementares ao Estudo de Impacte Ambiental, tendo sido caracterizado como uma mancha de ocupação de cronologia pré-histórica.

Bloco de Rega de Pias, Herdade da Torre 2

À superfície identificaram-se materiais arqueológicos que apresentavam uma longa diacronia de ocupação do espaço, designadamente, cerâmicas de cronologia contemporânea, moderna, islâmica e romana.

Circuito Hidráulico Caliços-Pias, Herdade da Torre

A intervenção permitiu aferir que no local estabelecido para a colocação de infraestruturas de rega existiam vestígios de ocupações preservadas com uma longa diacronia, aproximadamente desde o século II d.C. até ao século XII d.C.

Circuito Hidráulico Amoreira-Caliços, Monte dos Cotéis 2

Na sequência de prospeções arqueológicas complementares ao Estudo de Impacte Ambiental, o Monte dos Cotéis 2 fora classificado como uma mancha de materiais dispersos de cronologia atribuída à Pré-História e ao período Contemporâneo.

Bloco de Rega de Pias, prospeções arqueológicas

Foram prospetados os troços de infraestruturas (redes de rega e redes viárias) que, durante a execução do Estudo de Impacte Ambiental, se encontravam descritas com visibilidade reduzida a nula, complementando desta forma a avaliação efetuada.

Quinta Paço do Lumiar, Lisboa

A implementação deste empreendimento implicava a afectação de áreas com potencial arqueológico, já que se desenvolvia numa área classificada como Conjunto de Interesse Público do Paço do Lumiar.

Torre do Esporão, Complexo Arqueológico dos Perdigões, Reguengos de Monsaraz

A ERA levou a cabo a observação do estado de preservação da exposição sobre o Complexo Arqueológico dos Perdigões instalada no piso térreo da torre medieval da Herdade do Esporão.

Largo do Terreiro da Feira, Mértola

A intervenção arqueológica enquadrou-se no projeto de requalificação do Largo do Terreiro da Feira, perante a possível incidência dos trabalhos de implementação sobre os contextos funerários da Idade do Ferro, localizados na área de afetação direta e indireta do projeto.

Largo Jacinto D’Ayet, Albufeira

Foram realizadas 13 sondagens de diagnóstico arqueológico com vista a verificar de forma preliminar o potencial estratigráfico e arqueológico da área de implantação do projeto de construção do Sant’Ana Palace Hotel.